MENU

Exames de médico particular descartam problema de saúde em Arruda

Exames de médico particular descartam problema de saúde em Arruda

Atualizado: Quinta-feira, 11 Março de 2010 as 12

Resultado dos exames de urina e sangue realizados pelo médico particular do governador afastado do Distrito Federal, José Arruda (sem partido, ex-DEM), não constataram qualquer alteração de saúde, informou nesta quinta-feira (11) a Polícia Federal.

O resultado dos exames foi disponibilizado no fim da tarde desta quarta. Os agentes federais acessaram o conteúdo das análises pela internet. Um dos agentes da PF que conversou com o G1 afirmou que o diagnóstico evidencia o "teatro que está sendo feito em torno da saúde de Arruda".

Na quarta-feira (10), Arruda passou por um exame de eletrocardiograma na Superintendência da PF, em Brasília. O médico particular do governador, Brasil Caiado, acompanhou pessoalmente o procedimento. O governador está preso na PF desde 11 de fevereiro, quando o Superior Tribunal de Justiça (STJ) constatou que ele tentou interferir no inquérito do mensalão do DEM de Brasília, que tramita no tribunal.

As amostras de sangue e urina colhidas pelo médico foram levadas a um laboratório particular. Esses exames foram pedidos por Caiado, que visitou o governador pela primeira vez desde que ele está preso. A visita foi na noite da terça-feira (9). O governador poderia ter feito os exames de sangue e urina nesta quarta-feira, mas como não estava em jejum a coleta não pôde ser feita, segundo a assessoria da PF.

Caiado só conseguiu avaliar Arruda depois que os advogados do governador conseguiram autorização do STJ na terça-feira (9) para que o médico particular dele entrasse na sede da PF. Até então, todo atendimento médico era feito pela Polícia Federal.

Na saída da primeira consulta ao governador, Caiado disse que "no momento" Arruda não precisa de internação, mas está com hipertensão e diabetes não controladas, um edema não identificado no "membro inferior direito" e depressão, considerada "mais acentuada." Ele disse que, com base nos exames feitos na segunda-feira (8), a trombose está praticamente descartada.

Na segunda-feira (8), Arruda foi levado para um hospital de Brasília e passou por alguns exames após ser constatado um inchaço no tornozelo direito. Havia preocupação dos advogados do governador que ele estivesse com uma trombose.

"Esse exame ajudou a gente a raciocinar preliminarmente o diagnóstico, mas ainda não está definido o porquê do edema. Inicialmente, se pensou numa trombose, mas o exame não confirmou. É muito comum ter trombose depois de cirurgia ortopédica. Ainda precisa ser esclarecido", disse. Arruda fez, há poucos meses, uma cirurgia no local. "O doppler [exame feito no hospital] não deu nada, mas o exame clínico é alterado. Há uma diferença, talvez de interpretação. O que a polícia falou estava certo no ponto do doppler."

Caiado afirmou que Arruda parou de fazer "caminhadas leves". "O pé realmente está incomodando muito. Além de dor, tem inchaço e um pouco de dificuldade para pisar", afirmou.

Ao entrar na sede da PF nesta quarta-feira para acompanhar o exame, o médico disse que além do eletrocargiograma, também instalará no governador um aparelho para medir a pressão arterial nos próximos três dias.

"Vou instalar um aparelhinho nele para medir a pressão arterial seis vezes ao dia, por três dias. É um aparelho portátil. Vou aguardar o resultado do exame de sangue para depois reavaliar a traçar os próximos passos. Essa questão da depressão, da tensão, do estresse que está passando no paciente que é hipertenso e diabético cria um risco muito maior para os eventos coronarianos", disse Caiado na entrada da Polícia Federal.

Responsável pela defesa do governador, o advogado Nélio Machado disse ao G1 não ter interesse em ver seu cliente doente e também repudiou as afirmações da PF de que o resultado do exame desmontaria o teatro em torno da saúde de Arruda. "É uma ofensa, repudio essa afirmação de quem quer que seja. Não sou ator nem faço teatro. Assistência médica ao preso é um dever do Estado. Torço pela saúde de Arruda. Não me interessa, como advogado, ver o Arruda mal. Se o resultado não apresentou nada, ótimo", afirmou Nélio Machado.

O escândalo do mensalão do DEM de Brasília começou no dia 27 de novembro, quando a Polícia Federal deflagrou a operação Caixa de Pandora. No inquérito, o governador José Roberto Arruda é apontado como o comandante de um esquema de distribuição de propina a deputados distritais e aliados.

 Por: Robson Bonin

veja também