MENU

Falta de infraestrutura prejudica transporte ferroviário em MT

Falta de infraestrutura prejudica transporte ferroviário em MT

Atualizado: Sexta-feira, 29 Janeiro de 2010 as 12

Representantes da América Latina Logística (ALL), concessionária responsável pela administração do porto ferroviário das cidades de Alto Taquari e Alto Araguaia (Sul de MT) virão ao Estado, no próximo dia 5 de fevereiro, para uma reunião, em Rondonópolis (212 km ao Sul de Cuiabá), com diretores da Federação dos Trabalhadores em Transporte Terrestre de Mato Grosso e do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Terrestres de Rondonópolis e Região (STTRR).

O encontro vai discutir soluções para os problemas relacionados à infraestrutura, condições ambientais e sanitárias nos locais de trabalho. As linhas ferroviárias das duas cidades ligam Mato Grosso ao Porto de Santos (SP), no escoamento da produção de grãos. Atualmente, em média, de 300 a 1.000 caminhões de todo o Estado são descarregados no local, diariamente.

Os motoristas querem melhorias na infraestrutura dos pátios dos terminais ferroviários de Alto Taquari e Alto Araguaia. Em dezembro de 2009, o sindicato e associação dos trabalhadores constataram que, para descarregar nos terminais ferroviários das duas cidades, os motoristas tiveram que enfrentar vários problemas. Entre eles, lama no estacionamento, mau cheiro, espera de mais 24 horas, longas filas, retenção das notas e falta de informações por parte dos representantes da ALL.

As entidades sindicais enviaram, no dia 18 passado, à sede da empresa, em Curitiba (PR), uma extensa pauta de reivindicações para que esses problemas sejam solucionados em caráter de urgência.

Paralisação iminente

Segundo o presidente do STTRR, Luis Gonçalves da Costa, que também preside a Federação dos Trabalhadores em Transporte Terrestre de Mato Grosso, as reivindicações que compõem a pauta dispõe de um conteúdo elaborado e discutido em assembléia geral do trabalhadores no dia 11 de janeiro.

"Foi acordado, em assembléia, que se não formos atendidos vamos tomar medidas judiciais e promover a paralisação dos terminais por tempo indeterminado", disse Costa. Ele admitiu que o fato de a direção da empresa se dispor a dialogar, quando nada, é um indicios de que a ALL tem interesse em resolver o prblema.

Por: Roberto Nunes

veja também