Família de Juan entra em programa de proteção, diz governo do Rio

Família de Juan entra em programa de proteção, diz governo do Rio

Atualizado: Quinta-feira, 30 Junho de 2011 as 1:27

A Secretaria de estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) informou nesta quinta-feira (30) que o adolescente Wesley, irmão do menino Juan, desaparecido desde uma operação da polícia em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e sua família já estão inseridos no Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente Ameaçado de Morte (PPCAM).

De acordo com a Secretaria, o programa é desenvolvido pela SEASDH em parceria com a Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República.

Juan, de 11 anos, desapareceu no dia 20, durante uma troca de tiros entre criminosos e policiais militares, na Favela Danon. Seu irmão Wesley foi baleado durante o tiroteio.

Wanderson dos Santos de Assis, 19 anos, que também foi baleado na operação está sendo acompanhado por agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) enquanto permanece no hospital. Segundo a secretaria, ele será inserido em outra modalidade de programa de proteção.

Corpo encontrado pode ser de Juan

As buscas ao menino Juan foram temporariamente suspensas depois que a Polícia Militar encontrou, por volta das 7h desta quinta-feira (30), o corpo de uma criança, em decomposição, em Belford Roxo, Baixada Fluminense. A polícia chegou ao local após uma denúncia anônima.     O coronel Sérgio Mendes, comandante do 20° BPM, confirmou a informação nesta manhã e aguarda a retirada do corpo do local para que seja confirmado se é ou não de Juan. As buscas ao menino, por policiais e cães farejadores, auxiliados por bombeiros, realizadas na quarta-feira (29), a partir de uma peça de roupa do garoto, foram suspensas ao anoitecer e seriam retomadas nesta manhã. Mas só serão retomadas se for confirmado que o corpo achado não se trata de Juan. Segundo o comandante, o corpo está num córrego conhecido como Santa Lúcia. Policiais da Divisão de Homicídios (DH), que investigam o caso, foram chamados.

Protesto na Alerj

Na tarde de quarta-feira (29), representantes de ONGs, familiares e amigos protestaram em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para lembrar o desaparecimento de Juan. Mais cedo, a mãe do menino reconheceu o chinelo usado pelo filho no dia do sumiço. Ela afirmou que o calçado era dela, mas o filho pediu para usá-lo.

Disque-Denúncia lança cartaz

Para conseguir pistas sobre o menino, o Disque-Denúncia lançou nesta quarta-feira (29) um cartaz com uma foto de Juan. A central já recebeu algumas ligações e a expectativa é de que com a divulgação desse cartaz, o número de denúncias aumente. Quem tiver informações sobre o paradeiro do menino pode ligar para o número (21) 2253-1177. O anonimato é garantido.          

veja também