Familiares de vítimas do voo 447 da Air France ainda aguardam indenizações

Familiares de vítimas do voo 447 da Air France ainda aguardam indenizações

Atualizado: Terça-feira, 1 Dezembro de 2009 as 12

Parentes das vítimas brasileiras da queda do voo 447 da Air France, que completa seis meses nesta terça-feira (1º), ainda aguardam valores referentes às indenizações.

De acordo com a Associação dos Familiares das Vítimas do Voo AF 447, alguns familiares receberam o valor de 17 mil euros logo após o acidente, principalmente aqueles cujos responsáveis pelo orçamento familiar morreram no acidente. ''Mas era um valor só para ajudar bem no início. Para as famílias que não tinham recursos. Ainda estamos aguardando as indenizações'', diz o presidente da entidade, Nelson Faria Marinho.

O voo AF 447 caiu no dia 31 de maio quando ia do Rio de Janeiro a Paris. A aeronave seguia um voo normal até a área de cobertura do radar, em Fernando de Noronha, mas enfrentou turbulência, mau tempo e enviou mensagem de pane alguns minutos depois, não voltando a fazer contato com os controladores de voo. Até agora, as causas do acidente ainda não foram divulgadas pelas autoridades.

Para o presidente da associação dos familiares, ''não há dúvidas'' sobre a responsabilidade da empresa no episódio. ''Pilotos franceses já afirmaram abertamente que houve problema técnico, que foi o pitot, sensor de velocidade, que deu problema. Foi um problema técnico da companhia, de manutenção'', diz Marinho.

Procurada pelo G1, a Air France afirmou que não comenta o caso porque está sob investigação. Em relação às indenizações, disse que, em respeito à privacidade das famílias, também não comentará.

Nelson Maria Marinho, que perdeu o filho no acidente, afirmou que as indenizações são uma forma de punir os responsáveis. ''A vida do meu filho não tem valor. Mas não se pode punir os responsáveis de outra forma. Ninguém vai ir preso mesmo. A única forma de atingi-los é essa e queremos uma indenização bem alta''.

Segundo ele, a Air France já recebeu uma indenização da seguradora no valor de cerca de US$ 800 milhões pelo acidente - a empresa informou que não comentará o assunto.

O presidente da entidade disse que eles estão ingressando com ação nos Estados Unidos, país fabricante de peças da aeronave. ''Na Europa, eles conseguiram dividir o grupo. Um grupo de famílias fez acordo para entrar na parte cível e vai receber migalhas. Queremos nos Estados Unidos, porque há possibilidade de conseguir uma indenização maior''.

No Brasil, diversas famílias já conquistaram na Justiça pensões que variam de R$ 2 mil a R$ 20 mil  mensais por dois anos.

Há previsão de uma reunião no próximo dia 10 de dezembro, de acordo com o presidente da associação, com o Ministério Público francês para criação de uma câmara de indenizações. ''Cada um vai preencher um questionário e cada caso é um caso. Vai depender da idade da vítima, do salário dele. Mas não estamos acreditando muito e por isso estamos com advogados internacionais para tratar do assunto''.

Nelson Faria Marinho diz que conseguir uma indenização de alto valor para punir os responsáveis é uma ''questão de honra''. ''Minha esposa está em estado crítico até hoje. Meu objetivo maior, pelo meu filho, punir os culpados''.

Por Mariana Oliveira

veja também