MENU

Fãs do Fusca se reúnem para comemorar 72 anos do carro

Fãs do Fusca se reúnem para comemorar 72 anos do carro

Atualizado: Segunda-feira, 28 Junho de 2010 as 8:43

É gostoso ver o zelo para deixar o pequeno invejável. Quando se trata do Fusca, quanto mais anos, maior o charme. “O carro não tem nada velho, está tudo novo. De velho só tem eu”, brinca o funcionário público aposentado Delmo José.   O carro continua batendo um bolão entre os expectadores. É muito fácil dirigir um, mas é quase impossível mantê-lo livre do assédio.   “O duro é que as pessoas não sabem olhar com os olhos, elas querem por as mãos. Se você está no trânsito, querem dirigir, tirar fotografia. Fico até assustado porque pode acabar acontecendo um acidente”, conta o comerciante Nelson Ormezzano.   Essa fascinação exercida pelo Fusquinha atraiu muita gente ao estacionamento de um shopping nesse domingo (27). Eles foram comemorar o dia mundial desse carro que, por razões obvias, é um dos mais queridos pelos brasileiros.   “Esse é um carro que topava qualquer lugar, qualquer parada ou viagem. Qualquer pessoa podia consertá-lo. Diziam que se tivesse um açougue ou uma padaria e o Fusca quebrasse, o padeiro ou o açougueiro poderiam consertar porque é um carro simples”, fala o presidente do Clube do Fusca, Miguel Pinheiro.   O Fusca foi produzido durante 63 anos e continua até hoje com um título que nenhum outro bateu - ser o carro mais vendido do mundo, com 22 milhões de unidades saídas da fábrica. Se fosse vendido hoje, sairia ao preço de um carro popular, cerca de R$ 24 mil.   Mas se a opção for comprar uma das raridades expostas nesse domingo, o preço não é menor do que R$ 40 mil. É justamente a idade avançada, por trás de uma lataria de primeira que mais desperta a cobiça.

“A gente vê assim muito conservado e dá até vontade de comprar e ter um”, diz o empresário Ailton José dos Santos.   Quem ousaria dizer que um carrinho encomendado por Hitler pra ser usado na Segunda Guerra mundial terminaria com 15 versões espalhadas nos cinco continentes. Dá para entender a data em homenagem.      

Postado por: Cristiano Bitencourt

veja também