MENU

Festa comemora projeto de inclusão em Betim

Festa comemora projeto de inclusão em Betim

Atualizado: Segunda-feira, 28 Junho de 2010 as 12:10

A comemoração do primeiro aniversário do programa   Escola   da Gente encheu de festa o Parque de Exposições David Gonçalves Lara. O programa é iniciativa do governo municipal para   educar crianças de 6 a 14 anos em horário integral. Os   alunos   divertiram os visitantes com números de dança, apresentações esportivas e musicais. “É gratificante investir na criança e no adolescente”, afirmou a coordenadora do programa, Dalvonete dos Santos. Atualmente, 21 instituições de ensino oferecem o Escola da Gente em Betim e, a partir de agosto, outras nove funcionarão nos moldes da educação integral, somando 30 escolas . Cerca de 90% da verba para manter o projeto saem dos cofres da Prefeitura de Betim. Para 2010, o orçamento é de R$ 13 milhões, diferentemente do que foi divulgado na edição do Jornal Aqui Betim de domingo. Os planos da prefeitura são de que toda a rede municipal ofereça o programa até o final de 2012. A festa começou com o desfile de fanfarras, uma delas da Escola Municipal Belizário Ferreira Caminhas. As aulas de música são ministradas por Leônidas Ferraz, de 25 anos. “Foi um ano muito produtivo. A maioria das escolas de periferia não tinha condições de oferecer atividades culturais para os alunos”, disse.Um dos alunos que se apresentou na fanfarra foi Marcos Antônio dos Santos, de 14, aluno da 7ª série. Ele tem aulas de natação, música e acompanhamento pedagógico. “Minhas notas melhoraram e meu relacionamento com os colegas também.”Para a prefeita Maria do Carmo Lara, o programa além de tirar as crianças da rua, descobre grandes talentos. A partir do segundo semestre de 2010, em uma parceria com a Transbetim, começa o projeto Literatura sobre Rodas. Os bancos de ônibus e vans terão textos e poemas feitos pelos alunos da escola integral. Segundo uma das coordenadoras do Escola da Gente Érika da Silva Souza, os textos, escolhidos por concurso, vão circular nos ônibus das comunidades onde as crianças moram e depois vão para outras linhas.    

Postado por: Cristiano Bitencourt

veja também