MENU

Frigoríficos rebatem acusações de relatório do Greenpeace

Frigoríficos rebatem acusações de relatório do Greenpeace

Atualizado: Terça-feira, 2 Junho de 2009 as 12

Os frigoríficos Bertin e JBS, citados no relatório da organização não governamental Greenpeace como alguns dos maiores responsáveis pelo desmatamento da Amazônia, rebateram as informações do documento e afirmaram que adotam critérios sustentáveis na compra de matérias-primas.

O Bertin, um dos maiores vendedores de couro do mundo argumentou, por meio de nota, que obedece "estritamente" a legislação ambiental e brasileira e que tem um programa para compra de gado que considera critérios socioambientais dos fornecedores.

"Todos são legais e não constam nem da lista suja - do Ministério do Trabalho, que condena práticas semelhantes à escravidão - nem da lista de propriedades embragadas publicada pelo Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis]", de acordo com a nota. A empresa afirma ainda que já excluiu pelo menos 165 fornecedores que estavam em uma das duas listas.

Em relação ao couro comercializado pela empresa, 82,5% vêm de unidades próprias, segundo a Bertin. O restante, 17,5%, vêm de outros frigoríficos que a empresa diz que vai investigar para verificar a existência de possíveis irregularidades ambientais. "Caso haja situações irregulares, haverá interrupção imediata do acordo comercial entre a Bertin e estes fornecedores", aponta.

A JBS, que segundo o Greenpeace lidera as vendas mundiais de carne, também argumentou que não compra matéria-prima de propriedades que praticam crime ambiental.

"Antes de adquirir gado de qualquer pecuarista a JBS consulta a lista de fornecedores no site do Ibama. Caso algum fornecedor esteja listado por praticar qualquer tipo de desmatamento ilegal, a JBS cancela qualquer tipo de relação comercial", afirmou em nota.

A empresa cita o pacto assinado em 2008 pelo financiamento, produção, uso, distribuição, comercialização e consumo de produtos da pecuária vindos da Amazônia para a cidade de São Paulo como um exemplo da "responsabilidade ambiental" do grupo.

veja também