Genro diz que mulher que morreu em plástica comprou 'roupa para magra'

Genro diz que mulher que morreu em plástica comprou 'roupa para magra'

Atualizado: Sexta-feira, 8 Julho de 2011 as 3:11

Coroas de flores recebidas no velório de Kátia de

Oliveira, em Contagem, na Grande BH.

(Foto: Alex Araújo/G1)

  O corpo da funcionária pública Kátia Maciel Dias de Oliveira, de 38 anos, que morreu depois de fazer uma lipoaspiração, está sendo velado, nesta sexta-feira (8), na casa dos pais dela, no bairro Novo Riacho, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com o genro da vítima, Diego Costa Ferreira, 21 anos, antes de operar, Kátia fez uma dieta com orientação de uma nutricionista e fez várias sessões de acupuntura para se preparar para a cirurgia. “Era o sonho dela. Ela comprou várias roupas novas e disse que usaria depois que estivesse magra”, contou Ferreira. Kátia morreu depois de submeter-se a uma lipoaspiração em uma clínica de cirurgia plástica, no bairro Santo Antônio, Região Centro-Sul de BH. “Ela estava fazendo regime há quatro meses e perdeu 22 quilos”, disse o pai, o aposentado José Raimundo Maciel, 70 anos.  

Kátia fez cirurgia na barriga, seios e costas e, pelos procedimentos, deu uma entrada de R$ 1,8 mil e mais dez cheques de R$ 1,2 mil – totalizando um valor de R$ 13 mil.

Ferreira contou também que Kátia “disse que o médico falou que ela iria ficar linda”. “Mas ela foi a outro médico que disse que ela só poderia fazer a cirurgia em janeiro do ano que vem porque teria que fazer um acompanhamento com uma psicóloga”, relembrou Ferreira.

Kátia de Oliveira morreu após fazer lipoaspiração

em clínica de BH. (Foto: Álbum de família)

  O genro de Kátia comentou que, quando chegou à clínica, acompanhado da namorada por volta das 6h15 desta quinta-feira (7), foi impedido de entrar. “Toquei o interfone, mas eles pediram para a gente aguardar do lado de fora. O pessoal do Samu [Serviço de Atendimento Médico de Urgência] saiu da clínica sem falar nada. Meti o pé no portão e entramos. Depois de uns 20 minutos, o médico veio chorando, com a mão na cabeça, dizendo que não teve jeito, que ele fez tudo que pôde, mas que a Kátia tinha morrido”, falou.

O pai de Kátia disse que a família pretende tomar providências contra a clínica para que o mesmo não aconteça com outras pessoas. O corpo de Kátia será enterrado às 16h no Cemitério da Glória, no bairro Flamengo, em Contagem.          

veja também