MENU

Governo amplia esforço para desativar a Cracolândia de BH

Governo amplia esforço para desativar a Cracolândia de BH

Atualizado: Segunda-feira, 14 Junho de 2010 as 11:34

A Subsecretaria de Estado de Políticas Antidrogas vai renovar na terça-feira o convênio com as instituições que atuam no acolhimento e tratamento dos dependentes de crack que ficam concentrados na Rua Araribá, na Pedreira Prado Lopes, Região Noroeste de Belo Horizonte, via que contorna o conjunto IAPI e tornou-se conhecida como a Cracolândia de BH. As intervenções no local são feitas desde 2005. “Trabalhamos em dois aspectos: o primeiro é o repressivo, ação exclusivamente da polícia, para localizar os indivíduos envolvidos com o tráfico de drogas e com mandados de prisão a cumprir. A outra, e dessa nós participamos, é a de acolhimento, que consiste na abordagem dos dependentes e no encaminhamento a uma entidade”, destaca o subsecretário Cloves Benevides.

Ele ressalta que, embora haja outros espaços com aglomeração de usuários de crack na capital, como na Avenida dos Andradas, no Bairro Santa Tereza, Região Leste, a Cracolândia continua sendo o mais problemático. “O caso mais significativo é o do entorno da Pedreira, que já melhorou e tende a melhorar mais, em razão das intervenções urbanas que estão sendo feitas ali. A revitalização do espaço dá outra perspectiva. A prefeitura está desativando o abrigo (na Araribá), que será transferido, e há também a demolição de prédios que eram usados para o consumo de drogas”, enumera.

De acordo com Benevides, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, está preparando um programa de combate ao uso das pedras, que será lançado em breve. “Será um grande programa, que vai significar um marco. Recebemos isso de maneira muito positiva, porque a atuação de Belo Horizonte vai se refletir em toda a região metropolitana. A capital é referência no que diz respeito à intervenção urbana. No caso dos usuários do crack, eles têm uma aproximação com a convivência urbana, como os sujeitos que ficam perambulando, a população de rua. Com esse programa, a cidade pode se tornar um laboratório de boas práticas e iniciativas para o estado”, afirmou o subsecretário.

A prefeitura informou que o plano ainda está em sua fase embrionária. Por determinação do prefeito Marcio Lacerda (PSB), já foram iniciadas as reuniões entre representantes das áreas da saúde, assistência social e de patrimônio, para debater o projeto.

veja também