MENU

Governo do Estado e Firjan estudam medidas para recuperar Nova Friburgo

Governo do Estado e Firjan estudam medidas para recuperar Nova Friburgo

Atualizado: Quinta-feira, 3 Fevereiro de 2011 as 9:27

O vice-governador e secretário estadual de Obras, Luiz Fernando Pezão, e os secretários estaduais de Desenvolvimento Econômico, Julio Bueno, e de Fazenda, Renato Villela, reuniram-se, nesta quarta-feira (2), no Senai de Nova Friburgo, na região serrana do Rio de Janeiro, com o presidente da Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira, e cerca de 200 empresários do município. No encontro, que contou com a participação de representantes dos setores da construção civil, têxtil, alimentos, metal-mecânico, entre outros, foram discutidas medidas de recuperação econômica da cidade.

Entre as ações que serão tomadas estão: a criação de Distrito Industrial para realocação das indústrias; transformação do antigo hospital Adventista em Centro Oncológico de referência na região; a transformação da antiga Fábrica Ypu em Cidade da Educação, com cursos da UERJ e a criação de uma rodovia do Contorno para deslocamento de veículos pesados.

O presidente da Firjan disse que a federação vai oferecer 1.800 vagas gratuitas para cursos, sendo 632 na área da construção civil. As vagas estão distribuídas entre os cursos de armador de bancada (32), carpinteiro de formas de bancada (48), eletricista de obras (144), estucador (32), ladrilheiro (32), pedreiro de alvenaria (128) e pintor de alvenaria (216), que serão ministrados pelo Senai. As turmas iniciam a partir do dia 14 de março, em tenda de 300 metros quadrados montada no Sesi do município.

Os interessados podem se inscrever no Senai de Nova Friburgo, que fica na Rua Prefeito José Eugênio Muller, 220, Centro. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 0800 0231 231.

Mortos na tragédia

O número de mortos em consequência das chuvas na região serrana do Rio de Janeiro já chega a 872, de acordo com os dados divulgados pela Polícia Civil nesta quarta-feira (2).

Em Nova Friburgo são 421 mortos, em Teresópolis são 354, em Sumidouro foram encontrados 21 corpos, em Itaipava, 71, uma morte foi registrada em Bom Jardim e quatro em São José do Vale do Rio Preto.

Tragédia das chuvas

O forte temporal que atingiu o Estado do Rio de Janeiro no dia 11 deste mês deixou centenas de mortos e milhares de sobreviventes desabrigados e desalojados, principalmente na região serrana.

As cidades de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro, São José do Vale do Rio Preto, Bom Jardim e Areal foram as mais afetadas e decretaram estado de calamidade pública.

Serviços como água, luz e telefone foram interrompidos, estradas foram interditadas, pontes caíram e bairros ficaram isolados. O número de mortos passa de 800 e também há mais de 500 desaparecidos. Quase 30 mil estão fora de suas casas. No dia 14, a presidente Dilma Rousseff liberou R$ 100 milhões para ações de socorro e assistência às vítimas. Além disso, o governo federal anunciou a antecipação do Bolsa Família para os 20 mil inscritos no programa nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis. Na quinta-feira (27), a presidente voltou ao Estado para anunciar a entrega de 2.000 casas para desabrigados nas três cidades.

Na última segunda-feira (24), casas em áreas interditadas começaram a ser demolidas em Nova Friburgo. Além das casas que serão construídas pelo governo federal, 8.000 serão feitas pelo governo estadual.

O Estado espera recursos do Banco Mundial, de até R$ 850 milhões, para obras de contenção e compra de áreas para a construção de residências. A expectativa do governo fluminense é que ao menos R$ 350 milhões sejam liberados em abril.

veja também