Governo do Rio pagará indenização a pais de menino morto em Ciep

Governo do Rio pagará indenização a pais de menino morto em Ciep

Atualizado: Sexta-feira, 27 Agosto de 2010 as 8:32

O governo do estado do Rio, numa ação inédita, publicou um decreto na edição desta quarta-feira (25) do Diário Oficial que prevê a concessão de uma indenização por danos morais e materiais, além de um ano de pensão, aos pais do menino Wesley Guilber Rodrigues, de 11 anos, morto em julho depois de ser atingido por uma bala perdida dentro da escola onde estudava em Costa Barros, no subúrbio do Rio. O valor da indenização, no entanto, não foi divulgado.

De acordo com a assessoria do governo, esta é a primeira vez que o estado paga uma indenização em caso de bala perdida independentemente de uma decisão da Justiça.

“As circunstâncias que envolvem o caso, em especial pelo fato de ter havido uma operação policial no momento e por estar a criança em uma escola quando foi vitimada, levaram a Procuradoria a sugerir ao governador o reconhecimento da responsabilidade objetiva do Estado e determinar o pagamento da correspondente indenização”, diz a assessoria do governo.

Laudo diz que tiro não partiu de policiais

A assessoria de comunicação da Polícia Civil informou na última segunda-feira (23), que, de acordo com a perícia realizada pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), o tiro que matou o menino Wesley Andrade, em um Ciep em Costa Barros, no subúrbio do Rio, não partiu de nenhum dos 44 fuzis utilizados por policiais militares em uma operação em favelas próximas ao colégio.

Relembre o caso

Wesley Guilber Rodrigues, de 11 anos, morreu no dia 16 de julho depois de ser atingido no tórax por uma bala perdida dentro da sala de aula no Ciep (Centro Integrado de Educação Pública) Rubens Gomes, em Costa Barros, no subúrbio. Segundo a PM, na manhã daquele dia ocorreu uma operação de policiais do 9º BPM (Rocha Miranda) nas favelas da Quitanda e da Pedreira, próximas à escola onde o menino estudava, para combater o tráfico

Em 16 de agosto, um ato ecumênico lembrou um mês da morte de Wesley. Segundo os organizadores, a manifestação visava pedir mais segurança, principalmente em áreas próximas às escolas.

Postado por: Thatiane de Souza

veja também