MENU

Governo do RJ envia aeronaves para Campos após rompimento de dique

Governo do RJ envia aeronaves para Campos após rompimento de dique

Atualizado: Quinta-feira, 5 Janeiro de 2012 as 12:50

Duas aeronaves tripuladas por bombeiros foram enviadas na manhã desta quinta-feira (5) para a região Campos, no Norte Fluminense, onde, mais cedo, um dique (barragem para conter a água de rios) se rompeu no bairro Três Vendas. A informação é do governo do Rio, que não deu detalhes do modelo das aeronaves e de quantos bombeiros foram enviados ao local.

Por determinação do governador Sérgio Cabral, os bombeiros vão verificar as necessidades do local para que providências possam ser tomadas pela Defesa Civil do estado.

Mais cedo, o secretário de Defesa Civil do município, Henrique Oliveira, disse que cerca de 4 mil pessoas precisariam ser retiradas de suas casas por causa do rompimento do dique Segundo ele, mil famílias foram afetadas. Atualmente, 590 pessoas estão desabrigadas no município, segundo o secretário.

Famílias deixam casas

O G1 está tentando falar com o secretário Henrique Oliveira, mas até a publicação desta reportagem não conseguiu contato para saber quantas pessoas já deixaram suas casas. A prefeitura de Campos confirmou que algumas famílias já estão sendo levadas para o Ciep de Travessão, localidade vizinha a Três Vendas. O Ciep, segundo a prefeitura, fica a cerca de 16 km do Centro de Campos.

Nas próximas horas, uma equipe da Defesa Civil de Campos deve sobrevoar o local para ter uma dimensão dos prejuízos.

“Eu estou pedindo apoio do Exército. Nós vamos tirar toda a população de Três Vendas. Essa retirada tem que ser muito rápida”. Segundo ele, a água do Rio Muriaé deve tomar todas as ruas do bairro. “A situação é caótica na região. A água vai tomar tudo e muito rápido”, disse o secretário de Defesa Civil de Campos mais cedo.

De acordo com Oliveira, o dique fica na rodovia BR-356. Uma cratera foi aberta e o tráfego está interrompido na rodovia.Na quarta-feira (4), o nível do Rio Paraíba do Sul chegou a 10,90 metros quando, nesta época do ano, o normal varia de 7 a 8 metros, segundo a prefeitura.

De acordo com o secretário Henrique OIiveira, o município ainda não decretou situação de emergência, mas esta possibilidade não está descartada. "Agora (com o rompimento do dique) a situação vai se complicar", finalizou.

Cheia do Rio Muriaé

Na terça-feira (3), a Secretaria de Estado da Defesa Civil divulgou um balanço onde destacava que a cheia do Rio Muriaé, provocada pela chuva da última semana, afetou principalmente as cidades do Noroeste Fluminense. Em Itaperuna, a prefeitura da cidade calcula que 5 mil pessoas estão desalojadas e outras 60, desabrigadas. Segundo o coordenador da Defesa Civil do município, capitão Joelson Oliveira, a água subiu 1,3 metros acima do limite no Rio Muriaé.

Situação de emergência

Na quarta-feira (4), seis municípios do Rio de Janeiro decretaram situação de emergência, após as enchentes provocadas pelas chuvas que atingem o estado nesses primeiros dias do ano. São eles: Laje do Muriaé, Itaperuna, Cardoso Moreira, Italva, Miracema e Santo Antônio de Pádua. Todos ficam no Norte e Noroeste Fluminense.  

Nas regiões Norte e Noroeste do estado, o nível de alguns dos principais rios subiu ainda mais. O número de pessoas que tiveram que sair de casa já chega a 20 mil.

Em Santo Antônio de Pádua, mais de 12 mil pessoas estão desabrigadas ou desalojadas. O Rio Pomba, que também corta o município, transbordou e deixou vários bairros inundados. O atendimento no Hospital Hélio Montezano foi suspenso e os pacientes tiveram que ser transferidos para um hospital em Miracema, que fica a 15 quilômetros da cidade.

A Secretaria estadual de Saúde informou que os equipamentos do hospital e o atendimento de pacientes será feito na policlínica de Santo Antônio de Pádua.

Segundo a prefeitura, a cheia do rio, de cinco metros acima do nível normal, desalojou 20% da população. Mais de trezentas quedas de barreiras já foram registradas no noroeste do estado e quase 100 casas foram destruídas nos deslizamentos.

Rio Muriaé

O nível do Rio Muriaé subiu ainda mais nas últimas horas e agravou a situação em outras cidades da região.

Em Itaperuna, no Noroeste Fluminesne, o número de pessoas fora de casa já passa de 5 mil. Nesta quarta, a água cobriu o primeiro andar do principal hospital do município, o São José do Avaí. A principal via da cidade, a BR-356, foi interditada.

Em Laje do Muriaé, já são mais de 2.500 desalojados ou desabrigados.

Ainda nesta quarta, os secretários estaduais de Saúde e de Defesa Civil viajaram para a região Noroeste. Um centro de comando e controle, para concentrar as ações de socorro às vítimas das enchentes, será instalado.

Balanço Defesa Civil

Na noite desta quarta a Secretaria estadual de Defesa Civil divulgou o balanço das ocorrências causadas pela chuva nas regiões Norte e Noroeste do Rio.

A secretaria esclareceu que o município de Laje do Muriaé passa a considerar um óbito no balanço da Defesa Civil estadual. O caso registrado como infarto não se deu em decorrência da chuva. Dessa forma, são dois óbitos durante as chuvas dos últimos dias: uma no próprio município de Laje do Muriaé e outra em Miguel Pereira.

Os números de desalojados em cada cidade são: Santo Antônio de Pádua (12 mil); Itaperuna (5 mil); Laje do Muriaé (2.500); Aperibé (1.800); Italva (500); Cardoso Moreira (447); Cambuci (310); e Campos (243).

Já os números de desabrigados são: Santo Antônio de Pádua (1.200); Itaperuna (60); Laje do Muriaé (100); Aperibé (60); Italva (90); Cardoso Moreira (80); Cambuci (80); e Campos (113).   A água alagou as ruas do município de Cardoso Moreira (Foto: Mauricio Bazilio / Divulgação Secretaria estadual de Saúde)   Já em Italva, também no Noroeste Fluminense, houve inundação e enxurrada, de acordo com o secretário de Defesa Civil do município, Gedeão Bispo de Sousa. Bancos e hospitais estão fechados. “As famílias saíram de casa, foi muito rápida a enchente no Centro, derrubando muros e paredes”, disse ele.

Segundo o secretário, o pronto-socorro da cidade está interditado. “Estamos esperando a equipe do estado, para ver as ações na área da saúde. Médicos de outras localidades não conseguem chegar aqui”, contou. Ele afirmou que metade da população de Italva foi atingida. “

"O nível do rio está mais de 1 metro além do normal e desde terça-feira não diminui em nada, um sinal que está represando aqui em Italva. Pouca coisa do atendimento de emergência está funcionando, somente ambulatório. Todo trabalho é no sentido de não colocarmos a população em risco de morte. Está tudo parado e as cheias não diminuem”, disse ele.

Alerta máximo

O município de Bom Jesus de Itabapoana, no Noroeste Fluminense, está em estado de alerta máximo, de acordo com o técnico da Defesa Civil municipal Alexandre Alcântara.          

veja também