Governo faz reunião com madeireiros e agricultores do Pará

Governo faz reunião com madeireiros e agricultores do Pará

Atualizado: Sexta-feira, 21 Janeiro de 2011 as 9:23

Representantes do governo farão reunião com trabalhadores rurais assentados no Projeto de Desenvolvimento Sustentável Esperança, no Pará, e com outros moradores da região para discutir a questão da extração ilegal de madeira no interior da área destinada ao manejo sustentável na próxima terça-feira (25).

Nos últimos dias, a tensão e o risco de um novo confronto envolvendo assentados, madeireiros, caminhoneiros e famílias que, segundo o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), vivem ilegalmente na área, levou o governo paraense a reforçar o policiamento militar na cidade.

Localizado a 50 quilômetros do centro de Anapu, o Assentamento Esperança se tornou mundialmente conhecido quando, em 2005, a missionária católica norte-americana Dorothy Stang foi morta a tiros por assassinos de aluguel. Dorothy foi uma das idealizadoras do projeto de destinar terras para que trabalhadores rurais desenvolvessem projetos sustentáveis na Amazônia.

O governo será representado pelo ouvidor agrário nacional e presidente da Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo, desembargador Gercino Silva Filho, e representantes da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e do Incra.

Ontem (19), seis dias após assentados terem interditado rodovias vicinais que dão acesso ao Esperança em protesto contra a falta de fiscalização da atividade madeireira e com a ameaça de um grupo de famílias fecharem a Rodovia Transamazônica em protesto contra o que consideram excessivo rigor ambiental, 12 agentes da Força Nacional e homens da Polícia Federal foram enviados a Anapu a fim de conter eventuais confrontos.

Os assentados exigem a instalação de guaritas de controle para conter a entrada de madeireiros e caminhoneiros na área do projeto. Na última segunda-feira (18), a superintendente regional do Incra de Santarém (PA), Cleide Antônia de Souza, esteve no local e prometeu avaliar as implicações legais de criar ao menos dois postos de vigilância com a presença de seguranças armados particulares, iniciativa já em colocada em prática em outro assentamento de Anapu. A resposta deve sair em 60 dias.

Por: Alex Rodrigues

veja também