MENU

Governo federal não vai 'faltar' ao Rio de Janeiro, diz ministro

Governo federal não vai 'faltar' ao Rio de Janeiro, diz ministro

Atualizado: Quarta-feira, 7 Abril de 2010 as 12

O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta terça-feira, dia 6, que o governo federal não vai "faltar" ao Rio de Janeiro, que foi castigado por fortes chuvas neste início de semana. Em função da enchente, o caos tomou conta da capital carioca e 79 pessoas já morreram.

"A população, o governo do estado e a prefeitura podem ter certeza de que o governo federal não vai faltar ao Rio de Janeiro", disse Padilha, lembrando que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz visita nesta terça-feira à capital do estado. Ele afirmou ainda que as autoridades do governo federal estão em "contato permanente" com o governo do estado.

Padilha acrescentou que o governo vai avaliar a necessidade de fazer novos aportes de recursos para "ações emergenciais" decorrentes das chuvas. "O governo federal, como sempre, vai manter seu apoio permanente ao Rio de Janeiro", afirmou Padilha a jornalistas durante evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Padilha disse ainda que, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, que foi lançado na semana passada, para ser implementado somente entre 2011 e 2014, há uma linha específica para financiar obras que diminuam o impacto das enchentes."Vamos abrir uma conversa para a capacitação de projetos executivos do PAC 2", declarou.

Justiça

O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, disse nesta terça que o governo federal já ofereceu dois helicópteros de resgate e mais de 50 homens da equipe de bombeiros da Força Nacional de Segurança para ajudar no socorro às vitimas das chuvas que atingiram o Rio de Janeiro. O ministro afirmou que já conversou com o governador Sérgio Cabral, que disse estar avaliando a necessidade de ajuda.

Um dos helicópteros oferecidos é da Polícia Rodoviária Federal e o outro da Força Nacional de Segurança. A equipe de bombeiros, de acordo com o ministro, já atuou nas enchentes em Santa Catarina no final de 2008. Barreto disse ainda que presidente Lula pediu que o Ministério da Justiça oferecesse ajuda ao Rio.

Defesa Civil

A secretária nacional de Defesa Civil, Ivone Valente, informou ao G1 que ainda não recebeu pedido de ajuda por parte do governo do Rio. Ela avalia que os recursos locais são suficientes para atender à população. "Não é possível deslocar apoio sem uma avaliação da situação. Toda a estrutura do governo do Estado e da Prefeitura está voltada para o atendimento", afirmou.

Ivone Valente disse ainda que a principal causa das enchentes é a deficiência dos sistemas de drenagem, incapazes suportar uma situação de chuva intensa. "A gente sabe que nas grandes cidades os sistemas de drenagem não funcionam 100% por falta de manutenção e limpeza urbana", admite a secretária nacional de Defesa Civil.

Lula

Mais cedo no Rio, Lula ressaltou o perigo de viver em ocupações irregulares. Segundo ele, tanto os governos quanto a imprensa têm que alertar para esse comportamente inadequado. "É preciso que os administradores públicos desse país levem em conta de que não é possível mais permitir que as pessoas ocupem áreas inadequadas para morar. É preciso antever isso", disse.

Entretanto, Lula disse que com investimento é possível reverter o quadro em um prazo de até 15 anos. "Vamos trabalhar junto com o governador Sérgio Cabral e com o prefeito Eduardo Paes para que no PAC 2 a gente coloque mais dinheiro para drenagem para ver se consegue daqui 10 ou 15 anos ter uma cidade do Rio menos sofrida".

"Toda a ajuda que o governador e que o prefeito precisar está pronta à disposição. Mas me parece que esse não é o caso, me parece que o estado está preparado para isso", afirmou o presidente. "Quando o homem lá em cima tá nervoso e faz chover, nós só temos agora que pedir pra ele parar a chuva para a gente poder tocar a vida na cidade", afirmou o presidente.

"Se eu te convidar para ir ao meu apartamento em São Bernardo do Campo (SP) você vai ver o que a chuva está fazendo com ele. Minha laje está totalmente deteriorada", disse Lula.

Por: Alexandro Martello

veja também