MENU

Homem mantém ex-mulher refém há 18 horas no interior de SP

Homem mantém ex-mulher refém há 18 horas no interior de SP

Atualizado: Quinta-feira, 2 Dezembro de 2010 as 8:14

Um ex-guarda municipal de 45 anos mantinha por volta das 7h desta quinta-feira (2) a ex-mulher refém há mais de 18 horas em Araçatuba, a 527 km de São Paulo, dentro de uma clínica odontológica municipal onde ela trabalha, no bairro Paraíso. Policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais de São Paulo (Gate) tentam negociar a rendição dele desde a tarde desta quarta-feira (1º).

Na noite de quarta, a PM informou que foi possível perceber, por meio de contato visual, que a mulher passava bem, assim como o homem que invadiu o prédio e a mantém sob a mira de um revólver.

Familiares do ex-casal foram chamados para o local. Centenas de curiosos também acompanharam durante a madrugada o trabalho da polícia. De acordo com policiais militares, a situação é tensa no local. O acusado está armado de revólver e mantém em poder dele duas garrafas pet com gasolina. Ele ameaça atear fogo no local. O ex-guarda municipal já espalhou o combustível pelo consultório por pelo menos duas vezes.

No momento em que o acusado invadiu o local, três auxiliares odontológicas estavam no Centro de Especialidades Odontológicas.

De acordo com testemunhas, o homem chegou com uma mochila e logo entrou no consultório número 1, onde a mulher estava sozinha, limpando o local. Assustadas, as três colegas se trancaram em outra sala e chamaram um dos dentistas que trabalha no local e que havia acabado de sair para o almoço.

Um dentista ainda falou com o acusado, que já havia trancado a porta e colocado um armário para impedir a passagem. Os funcionários acionaram a Polícia Militar que isolou o local. De acordo com policiais, por muitas vezes, o acusado chegou a encostar a arma na cabeça na ex-mulher. Ele também teria ameaçado atirar nela e depois se matar.

Policiais do Gate chegaram de avião em Araçatuba por volta das 17h. Eles foram direto para a clínica e no local fizeram levantamento detalhado do local, com a medição de portas, janelas e paredes. Existe a possibilidade de o grupo invadir o local caso a negociação não avance.

De acordo com policiais que estão no local, o homem não faz nenhuma reivindicação. Ele apenas teria pedido para que a ex-mulher confessasse uma suposta traição. Os dois moraram juntos durante 16 anos. O casal se separou há quatro meses, de acordo com a mãe da refém. Desde a separação, começaram as brigas, conforme familiares. Márcia chegou a registrar boletins de ocorrência de ameaça contra o ex-marido. A Justiça expediu recentemente uma medida protetiva, por meio da qual ele ficou proibido de chegar a menos de 200 metros da ex-mulher.    

veja também