MENU

Homem que aparece mancando após ataque a jovens está preso, diz polícia

Homem que aparece mancando após ataque a jovens está preso, diz polícia

Atualizado: Segunda-feira, 28 Fevereiro de 2011 as 1:25

O homem detido por suspeita de envolvimento no atentado aos alunos da Fundação Getúlio Vargas (FGV), baleados na última quarta-feira (23) em um bar na Avenida Nove de Julho, no Centro de São Paulo, seria o suspeito que aparece de capacete e mancando nas imagens gravadas pelo circuito de monitoramento de câmeras de segurança divulgadas pela Polícia Civil na semana passada.     Segundo delegados do 4º Distrito Policial, na Consolação, que participam da investigação que apura a autoria dos crimes, ele teve uma das pernas atingidas por disparos durante a ação criminosa. Um dos 15 disparos efetuados pelo suspeito e seu comparsa contra os alunos teria ricocheteado e o acertado.

Por esse motivo, ele teria de ser submetido a uma cirurgia num hospital da capital paulista. O outro suspeito que aparece nas imagens já teria sido identificado e é procurado. Ele é apontado como o outro homem que usa capacete e entra no bar efetuando disparos.

O estudante Júlio César Grimm Bakri, de 22 anos, morreu no ataque, e Christopher Akio Cha Tominaga, de 23 anos, acabou ferido e continua internado no Hospital das Clínicas. O crime teria sido motivado por ciúmes e vingança, segundo investigações da polícia.

O homem preso no domingo teria confessado que cometeu o ataque porque os alunos teriam paquerado sua namorada. Irritado, o namorado da garota saiu com ela do bar, que fica na Avenida Nove de Julho, e foi a outro estabelecimento comercial. Lá, teria dito ao irmão que queria se vingar.

Os dois foram de moto, segundo os policiais, para o bar onde estavam os alunos de administração da FGV. Imagens da ação criminosa foram gravadas pelo circuito de câmeras de segurança de um prédio. Elas mostram dois homens chegando. Ambos estão com capacetes, entram no bar e atiram. Depois, a dupla foge, um deles sai mancando.

A namorada do suspeito foi ouvida pela polícia, mas não confirmou a versão de que teria sido paquerada pelos dois alunos. Depois de prestar depoimento no fim de semana, ela foi liberada.

Prisão temporária

A Polícia Civil vai pedir nesta segunda a prisão temporária por 30 dias do homem detido no domingo. Policiais chegaram até ele após o suspeito ter ido procurar socorro num hospital da Zona Leste da capital paulista. Ele tinha um ferimento na perna.

Enfermeiros notaram que o homem carregava munição nos bolsos da calça e avisaram a polícia. Chegando ao local, os policiais perceberam que o sujeito tinha as mesmas características do homem que aparecia usando um capacete nas imagens gravadas.

A polícia procura agora por um outro homem, que seria comparsa do rapaz preso no domingo. Esse homem, que é apontado como o outro atirador que aparece de capacete seria irmão dele. Ele também deverá ter a prisão pedida pela polícia ainda nesta segunda-feira.

“As investigações progrediram”, disse o delegado Paulo Afonso Tucci na manhã desta segunda-feira. Ele não quis dar detalhes das investigações e afirmou que precisa de autorização de seus superiores para isso.

Suspeito liberado

Pela manhã, a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública chegou a informar que o primeiro suspeito dos ataques que havia sido detido foi liberado no domingo (27) após ter ficado dois dias na carceragem do 77º DP. Segundo a pasta, ele foi liberado por falta de provas.

A secretaria não confirma, mas o primeiro suspeito teria sido liberado após a prisão do segundo suspeito, também no domingo. Quem afirma isso são policiais do 4º DP. Funcionários do distrito disseram que o homem que está preso confessou ter participado do atentado aos dois alunos, inocentando o primeiro suspeito.    

veja também