MENU

Hospital municipal de Mesquita, no RJ, é fechado por falta de médicos

Hospital municipal de Mesquita, no RJ, é fechado por falta de médicos

Atualizado: Quinta-feira, 4 Novembro de 2010 as 1:42

Nesta quinta-feira (4) apenas funcionários e acompanhantes dos três pacientes que continuam internados tiveram acesso ao interior do Hospital Municipal de Mesquita, na Baixada Fluminense. A Secretaria municipal de Saúde de Mesquita informou que o fechamento se deu pela falta de médicos na unidade de saúde.

A interrupção do serviço prejudicou a manicure Ligia, que foi até o local atrás de atendimento, mas não pode entrar. "Agora vou ter que ir para o Hospital de Nilópolis, porque aqui não tem atendimento", disse indignada.

A prefeitura informou que o hospital já chegou a ter 77 médicos, no entanto, nesta quarta-feira (3), apenas 12 estavam trabalhando no local. O argumento para fechar a unidade, segundo a prefeitura, é que a falta de profissionais dificultava a manutenção da qualidade e quantidade dos serviços.

"Médico, que fica assistindo direto, aqui não tem. Se Deus livre e guarde (sic) dá uma parada cardíaca uma coisa qualquer, o que vamos fazer?", reclamou Edmilson, que foi visitar a mãe, que ainda está na unidade tratando uma infecção renal.

A Secretaria municipal de Saúde informou que dispõe ainda de sete médicos contratados para acompanhar os pacientes que ainda permanecem no hospital. Além deles, segundo a prefeitura, plantonistas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) estão no local. De acordo com a secretaria, a família recusou a transferência da mãe de Edmilson.

Moradores devem procurar outras unidades de serviço

A recomendação do órgão é que os pacientes procurem as unidades de saúde do município ou hospitais vizinhos. "Aqui na cidade ele vai procurar uma das nossas unidades, temos 35 equipamentos distribuídos na região e vai ser, evidentemente, levado pelo nosso SAMU, ou pelo nosso tratamento fora de domicílio pela unidade da Posse, ou outra regulação que tiver, pelo nosso consórcio ou pela Secretaria de Estado", disse Alexandre Olivares, secretário de Saúde de Mesquita.

A aposentada Luísa Lima disse que recebeu orientação na semana passada e, com dificuldade para andar, procurou algumas unidades em bairros próximos, mas não conseguiu ser atendida.

"Só atendem nos casos das pessoas chegarem morrendo, desmaiando", disse ela.

A Prefeitura de Mesquita informou que abriu concurso para tentar contratar novos médicos, mas não houve procura. Ainda segundo a prefeitura, o posto de saúde de Jacutinga será reaberto e irá funcionar como unidade de emergência.

veja também