MENU

Hospital tem 12 vítimas de acidente com trêm e ônibus internadas no RJ

Hospital tem 12 vítimas de acidente com trêm e ônibus internadas no RJ

Atualizado: Sexta-feira, 13 Agosto de 2010 as 8:18

O Hospital da Posse, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, informou que 12 vítimas do acidente entre um ônibus e um trem de carga permanecem internadas na manhã desta sexta-feira (13) na unidade. Um dos feridos precisou passar por uma cirurgia por causa de um trauma no abdômen. Ao todo 20 pessoas ficaram feridas, três delas em estado grave.

O acidente ocorreu na noite de quinta-feira (12), em Nova Iguaçu.

A assessoria da MRS Logística explicou que o local do acidente não tem sinalização sonora, somente placas de advertência que, segundo a empresa, são visíveis e estão em bom estado de conservação. E disse ainda que carros e ônibus são obrigados a respeitar a passagem dos trens. Segundo a empresa, o trem KCR 1122 tem 26 vagões, e saiu de Minas Gerais em direção ao porto do Rio. Ele transportava cimento, ferro e aço.

Segundo testemunhas, a colisão poderia ter sido evitado pelo motorista. Os irmãos Ederson de Freitas, de 28 anos, e Carlos Henrique, de 30, que ficaram feridos na colisão, contaram que o condutor estava “distraído” quando houve o choque.

“O ônibus chegou a parar antes da linha férrea para deixar alguns passageiros no ponto, em seguida ele deu partida. Eu estava na parte de trás e um passageiro alertou o motorista sobre o trem, mas ele não percebeu porque estava conversando com outro passageiro”, contou Ederson. O acidente aconteceu por volta das 19h, numa passagem de nível na Estrada Luiz Lemos, no bairro Miguel Couto. Segundo o tenente-coronel Evandro Bezerra, comandante do Corpo de Bombeiros de Nova Iguaçu, o ônibus tombou após ser atingido pelo trem na parte traseira, e rodou mais de quatro vezes no chão antes de parar. Cerca de 20 pessoas ficaram feridas . “As primeiras informações são de que o motorista não teria visto a aproximação do trem de carga, apesar da sinalização visual que há no local. O que ocorreu foi que o ônibus foi abalroado pelo trem e a consequência foi esse número de feridos, mas felizmente não houve nenhum óbito”, explicou o comandante.

O Corpo de Bombeiros e peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), que também estiveram no local do acidente, afirmaram que ainda não há informações sobre as causas do acidente. Os agentes colheram informações e tiraram fotografias. O laudo, de acordo com os peritos, deve ficar pronto em 30 dias , e depois será encaminhado para a Polícia Civil. Trem piscou farol e apitou, diz vítima Carlos Henrique de Freitas sofreu ferimentos no braço esquerdo. Ele contou que o trem chegou na apitar e a piscar o farol várias vezes: "Todos viram quando o trem estava se aproximando. Ele piscou o farol e apitou muito. Foi um desespero. Eu pensei que o ônibus nunca fosse parar", disse.

Moradores da região contaram que, normalmente, os trocadores do ônibus saltam do ônibus para verificar se há algum trem na linha. Mas, segundo as vítmas, nesse caso não havia trocador. Outras testemunhas, no entanto, disseram que o trem não respeitou a sinalização e se chocou com o ônibus da linha Tinguá.

Vítimas

Segundo bombeiros, os feridos foram levados para dois hospitais da região: Hospital da Posse e Hospital de Saracuruna, em Duque de Caxias. De acordo com a Secretaria municipal de Saúde de Nova Iguaçu, um dos feridos graves está com traumatismo craniano. Algumas vítimas foram liberadas após atendimento médico. Empresa de ônibus presta assistência

A empresa de ônibus Tinguá enviou um representante ao Hospital da Posse, na noite desta quinta-feira, para prestar assistência às vítimas. Segundo o inspetor da companhia, Marcelo Santos, a Tinguá está arcando com as despesas de medicamentos e ajudando nas investigações. Ele contou que vai se reunir com as famílias nesta sexta-feira (13) para tratar de indenizações.

"A Tinguá está desde o início atuando ao lado da polícia e das famílias das vítimas. Ainda não sabemos o que aconteceu, mas o momento agora é de dar atenção aos feridos. A gente já se reuniu com uma assistente social, passamos os contatos para as famílias e começamos a dar assistências às vítimas. Além disso, disponibilizamos um ônibus e três carros para levar os feridos para casa", afirmou Marcelo Santos.

Postado por: Thatiane de Souza

veja também