MENU

Ibama aplica R$ 170 milhões em multas durante operação em MT

Ibama aplica R$ 170 milhões em multas durante operação em MT

Atualizado: Quarta-feira, 15 Junho de 2011 as 3:51

Ericksen Vital Do G1 MT

imprimir

Toras de madeiras apreendidas pelo Ibama. (Foto: Assessoria Ibama)

  O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aplicou mais de R$ 170 milhões em multas durante a Operação Disparada deflagrada para combater os crimes ambientais em Mato Grosso. O estado registrou entre maio e abril uma escalada no desmatamento ilegal no estado, conforme informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A operação, que começou no dia primeiro de março, também embargou pelo menos 30 mil hectares de terra em propriedades onde foram registrados crimes ambientais, como o uso de correntões puxados por tratores para derrubar a vegetação. Além disso, foram apreendidos cerca de 7 mil metros cúbicos de toras,  115 metros cúbicos de madeira serrada, 780 cabeças de gado, 40  caminhões, 51 tratores, 15 motosserras, 1.680 toneladas de arroz, 752 toneladas de soja e 780 cabeças de  gado. Nas ações em campo, 16 pessoas foram presas, conforme informou o Ibama.     Os números do balanço parcial da operação foram confirmados pelo superintendente do Ibama em Mato Grosso, Ramiro Hofmeister de Almeida Martins-Costa. “Neste momento, está contido o crescimento acelerado dos grandes desmatamentos registrados em abril a partir da intensificação das ações contra o desmate”, ponderou o superintendente. Sem citar número, ele adiantou que os grandes desmates reduziram cerca de 70% no estado.

Morosidade

No entanto, apesar do montante de multas aplicadas, o superintendente do Ibama criticou o excesso de recursos em processos por crimes ambientais no estado. Só no Ibama tramitam cerca de 8 mil processos, mas por conta dos recursos ele fiz que muitos ficam parados. Em 2011, ele disse que pretende acelerar esta tramitação para garantir a punição dos infratores.

Exército tem colaborado com a segurança e transporte das máquinas apreendidas. (Foto: Assessoria Ibama)

  Além do Ibama, também participam da força-tarefa homens do exército, da força nacional de segurança e das polícias federal e rodoviária. A meta é alcançar o desmatamento ilegal zero até o final de julho, conforme acordou os ministros com o governador Silval Barbosa (PMDB).

De acordo com o Ibama, os bens apreendidos estão sendo transportados por tratores e protegidos por homens do Exército brasileiro. Os equipamentos e máquinas apreendidos devem ser retirados dos antigos proprietários. A Força Nacional tem cuidado da segurança da operação. A PRF está responsável pelas fiscalizações nas cinco BRs que cortam o estado. Já os homens da Polícia Federal e do Ibama estão fazendo as constatações de crimes ambientais.

Queimadas

Uma das áreas onde foi registrado desmatamento

com o uso de correntão (Foto: Ericksen Vital)

  A preocupação atual no estado, segundo comentou o superintendente do Ibama, é com a possibilidade de aumentar os incêndios nas propriedades rurais desmatadas. Ramiro Matins cita, por exemplo, que em Nova Ubiratã, a 506 km de Cuiabá, pegou fogo uma das seis áreas do fazendeiro Vademilso Badalotti. Ele é  apontado pelo Ibama como o maior desmatador atuando em Mato Grosso. A área foi alvo dos chamados correntões e provavelmente pegou fogo porque quase toda a vegetação estava praticamente destruída. Seis dos dez maiores desmatamentos no estado estão em nome do fazendeiro do Panará.

  A partir deste mês, começa a temporada de estiagem em Mato Grosso. Assim como no ano passado, o estado já lidera o ranking nacional de queimadas. No primeiro semestre deste ano, foram registrados 7.385 focos de calor em Mato Grosso, conforme os satélites do Inpe. O Conselho Estadual de Gestão do Fogo analisa neste momento a possibilidade de aumentar o período de proibição das queimadas neste ano.        

veja também