MENU

Idoso é preso no PR por suspeita de abuso sexual e trabalho escravo

Idoso é preso no PR por suspeita de abuso sexual e trabalho escravo

Atualizado: Quarta-feira, 25 Maio de 2011 as 3:20

Um libanês naturalizado brasileiro, de 80 anos, foi preso em Curitiba na tarde de terça-feira (24) pela Polícia Federal, a pedido do Ministério Público Federal, por suspeita de trabalho escravo e abuso sexual. O suspeito foi denunciado à Justiça no dia 5 de abril por crimes que teriam sido cometidos entre 2004 e 2009, contra 14 vítimas. O pedido de prisão preventiva foi aceito e a denúncia continua a ser analisada.

A investigação do MP revelou que o libanês colocava anúncios em jornais a procura de empregradas domésticas e, desta forma, atraía mulheres até a casa dele. Depois disso, ele prendia as mulheres, retirava os documentos e objetos pessoais delas, e as submetia a condições consideradas de escravidão. Grande parte delas era agredida e assediada.

Muitas das vítimas não recebiam remuneração pelos serviços domésticos e quando conseguiam sair da casa onde eram mantidas trancadas, tinham que garantir que renunciavam os direitos trabalhistas.

Segundo a Polícia Militar, o suspeito não apresentou resistência à prisão, foi encaminhado para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba e está a disposição da Justiça.

Se confirmada as suspeitas, o libanês pode ser condenado até 50 anos de prisão, se somadas as penas de cada um dos crimes.

Reincidente

De acordo com informações do Ministério Público Federal, o homem havia sido preso em 2009 a pedido do Ministério Público do Paraná que apurava denúncias de crimes semelhantes. Ele foi liberado depois que o habeas-corpus foi concedido.

Depois disso, as investigações foram encaminhadas para o MP Federal que fez este último pedido de prisão preventiva à Justiça.

O G1 entrou em contato com a empresa de advocacia que era responsável pela defesa do suspeito em 2009, e informaram que na terça (24) a família dele entrou em contato, mas os advogados ainda não foram contratados e não respondem pelo caso.

veja também