MENU

Imposto mais alto freia credores estrangeiros na dívida pública

Imposto mais alto freia credores estrangeiros na dívida pública

Atualizado: Terça-feira, 24 Maio de 2011 as 8:22

A participação de estrangeiros na dívida interna brasileira se mantém praticamente estável desde outubro do ano passado, quando o governo aumentou a tributação sobre investimentos em renda fixa vindos de fora.

Em abril, o percentual de não-residentes detentores de papéis da dívida pública federal foi de 11,3%, contra 11,4% no mês anterior.

Nominalmente, porém, houve um aumento no valor, que passou de R$ 183,3 bilhões para R$ 186,6 bilhões, mas a fatia dos estrangeiros manteve-se no mesmo patamar porque a dívida total aumentou.

Antes da taxação, houve uma escalada na participação de estrangeiros na dívida interna. Em janeiro de 2010, o montante representava 9,7%. Chegou a 11,5% em setembro e então o governo decidiu encarecer os investimentos estrangeiros em renda fixa para diminuir a entrada de dólares no país.

No mês seguinte, elevou a alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) desse tipo de aplicação de 2% para 4%. Desde então, a fatia dos não-residentes na dívida pública federal vem se mantendo neste mesmo patamar.

'De setembro para cá, percebemos uma diminuição expressiva dos investidores de curto prazo. Com a elevação do IOF, deixou de ser interessante', afirma o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido

veja também