MENU

Incra inflou números de reforma agrária, diz geógrafo

Incra inflou números de reforma agrária, diz geógrafo

Atualizado: Segunda-feira, 28 Fevereiro de 2011 as 9:56

Os números do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) apontam que 48,3 milhões de hectares de terras foram incorporados às áreas de assentamentos e 614 mil famílias ganharam lotes rurais entre 2003 e 2010, mas o geógrafo Ariovaldo Umbelino de Oliveira, consultado pelo jornal O Estado de S. Paulo, contesta os índices que fazem com que os governos de Luiz Inácio Lula da Silva tenham sido os que mais contribuíram para a reforma agrária no País. As informações são do jornal.

Para o geógrafo, professor de pós-graduação da Universidade de São Paulo (USP), 26,6% das famílias "assentadas" na Era Lula já trabalhavam na zona rural, mas sem título de propriedade. Essas famílias teriam recebido o título e sido somadas aos números que fazem com que Lula tenha garantido 56% dos 85,8 milhões de hectares incorporados à reforma agrária em toda a história e 66,4% das 924 mil famílias assentadas no Brasil. Oliveira calcula que apenas 34,4% do total registrado entre 2003 e 2009 representam, de fato, novos assentamentos.

O geógrafo também contesta a realização de reforma nos 48,3 milhões de hectares divulgados pelo Incra, já que somente 4,5 milhões de hectares deste território teriam sido obtidos pela desapropriação de áreas privadas, enquanto o restante foi constituído por assentamentos em terras públicas, o que é "colonização e não reforma agrária, uma vez que não altera a estrutura fundiária", diz Oliveira. Já para o professor Bernardo Mançano Fernandes, do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (Nera), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), a substituição da desapropriação pela regularização de terras fez a reforma possível, beneficiando famílias que podiam perder suas terras por falta de títulos e de assistência do governo.

veja também