Inocentes podem pagar por apreensões de drogas ou invasão rival

Inocentes podem pagar por apreensões de drogas ou invasão rival

Atualizado: Segunda-feira, 6 Dezembro de 2010 as 8:41

Quando há apreensões de armas e drogas em uma favela ou invasão de uma quadrilha rival, até mesmo moradores podem ser responsabilizados mesmo não tendo nada a ver com a história. Este é mais um exemplo do terror imposto pelos traficantes a moradores no morros do Rio. Em uma série de reportagens, o R7 vem revelando regras que o tráfico submete à população de comunidades carentes.

Segundo o relato de integrante de um movimento social, quando uma favela sofre uma invasão, os traficantes, por muitas vezes, colocam a culpa em alguém e matam até inocentes como forma de dar uma "lição".

Já em relação a apreensão de drogas ou de armas, um policial conta que os traficantes das bocas-de-fumo partem do princípio de que a polícia não sabe onde estava o material e que alguém prestou algum tipo de informação.Como precisam dar satisfação aos seus superiores sobre o que foi perdido, eles escolhem alguém para ficar com a culpa. Eles chegam, inclusive, a torturar a pessoa para que ela confesse algo que não fez.

O tráfico interfere até mesmo nas associações de moradores. Recentemente, o líder comunitário da favela Nova Brasília, no Complexo do Alemão, teve a prisão preventiva decretada, suspeito de passar ordens do traficante Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, para os ataques na cidade.

De acordo com um membro de um movimento social do Rio, quando um presidente de associação de moradores faz algo que desagrade ao tráfico, ele é forçado a sair da comunidade ou pode até ser morto.

Outra regra é, após uma invasão, expulsar moradores que são parentes dos antigos traficantes que dominavam o local.

veja também