MENU

Inquérito de acidente que matou 2 pessoas e feriu 32 não está concluído

Inquérito de acidente que matou 2 pessoas e feriu 32 não está concluído

Atualizado: Sexta-feira, 10 Junho de 2011 as 1:06

Acidente matou duas pessoas e feriu 32

(Foto: Reprodução RPCTV)

  Nesta sexta-feira (10), a investigação sobre o acidente que matou duas pessoas e feriu 32 na Praça Tiradentes de Curitiba completa um ano. O inquérito não foi encaminhado para o Ministério Público por falta de documentos.

Um ônibus da linha Colombo/Cic desgovernado subiu na calçada, atingiu pessoas que estavam no ponto de ônibus e entrou em uma loja. O acidente é considerado o pior envolvendo o transporte coletivo da cidade.

O motorista do veículo foi apontado pela Delegacia de Delitos do Trânsito como o responsável pelo acidente, uma vez que o laudo feito pelo Instituto de Criminalística do Paraná descartou que tenha ocorrido alguma falha mecânica no veículo.

Em entrevista ao G1 , o delegado Armando Braga afirmou que o laudo apontou que mesmo se o motor do ônibus tivesse sido submetido à potência máxima, o sistema de freios teria capacidade para parar o veículo.

Em depoimento, o motorista afirmou à polícia que, repentinamente, o ônibus teria passado a acelerar sozinho e que ele acionou o sistema de freios, mas o veículo não parou.

Na ocasião, o motorista foi preso em flagrante por duplo homicídio culposo – ou seja, sem intenção de matar - e obteve o direito de aguardar em liberdade o desfecho das investigações. Segundo o porta-voz do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), Alexandre Teixeira, o condutor está afastado para tratamento psicológico pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Não existe previsão para o retorno às atividades, pois é necessária uma perícia médica sobre as condições do motorista.

Braga afirmou que o inquérito não foi encaminhado para o Ministério Público porque o Instituto Médico-Legal do Paraná (IML), não entregou laudos considerados imprescindíveis, como o de necropsia de uma das vítimas e laudos de lesão corporal.

Para os familiares das vítimas, além do sentimento da perda, o maior incômodo é a falta de esclarecimentos. "A gente fica sem resposta, é complicado. Só resta se conformar, porque é sempre assim", afirmou Fabrício Camargo, filho do ex-funcionário do Teatro Guaíra, Edson Pereira.

Fabrício disse que não pensa em buscar outras formas de resolver a situação na Justiça. "Não penso nisso. Nada disso pode trazer meu pai de volta", disse.

Nesta sexta-feira, às 17h, na Praça Tiradentes, o Movimento Passe Livre vai organizar uma manifestação para lembrar as vítimas.          

veja também