MENU

Interdição na Régis prejudica turistas que vão para o Sul neste feriado; veja alternativa

Interdição na Régis prejudica turistas que vão para o Sul neste feriado; veja alternativa

Atualizado: Sexta-feira, 12 Fevereiro de 2010 as 12

A concessionária Autopista Régis Bittencourt, que administra a rodovia BR-116, informou que não há previsão de término dos trabalhos de remoção da terra no km 552 da estrada, o que compromete o deslocamento de turistas que vão ao Sul do país no Carnaval.

Na madrugada desta sexta-feira, por volta das 4h30, ainda havia cerca de 10km de lentidão no sentido Paraná. De acordo com a Polícia Rodoviária, as filas de carros diminuíram durante o dia - hoje a tarde chegou a 40 km.

O deslizamento ocorreu há três dias e tem provocado congestionamento no local. Motoristas que usam o sentido Sul da rodovia sofrem mais com problema.

Ontem, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) bloqueou por cerca de três horas o tráfego no sentido Paraná-São Paulo da rodovia, próximo à divisa entre os dois Estados, para tentar desafogar o trânsito. Batizada de "Pare e Siga", a operação de bloqueio foi a alternativa oferecida pela PRF ao problema.

Na quarta-feira, voltou a chover no trecho interditado, o que gerou outros deslizamentos.

O trânsito nos dois sentidos da estrada que liga São Paulo ao Sul vinha sendo feito em pista simples até anteontem à noite entre os kms 543 e 556.

Como o trajeto de apenas 13 km levava até oito horas para ser cumprido, a PRF decidiu optar na manhã de ontem por um bloqueio parcial de quem viajava no sentido São Paulo, onde o congestionamento era menor, com 15 km de fila.

A ideia inicial era promover um revezamento de duas horas de interdição para cada direção. No entanto, como a lentidão persistia no sentido Sul (em direção ao Paraná), a PRF elevou o prazo para três horas de bloqueio de quem viajava no sentido Norte (em direção a São Paulo).

O trecho afetado está numa região de serra, portanto, com muitas curvas e subidas. Isso deixa o trânsito lento em razão da velocidade baixa dos caminhões. A recomendação da concessionária e da PRF é adiar a viagem em direção ao Sul do país até que a remoção da terra seja finalizada.

Alternativas

Outra saída é acessar caminhos alternativos, embora sejam bem mais longos. Quem ainda se encontra na região da capital paulista pode acessar a rodovia Castello Branco (SP-280), pela marginal Tietê, em direção a Ourinhos (372 km de São Paulo). O município faz divisa com a cidade de Jacarezinho (383 km de Curitiba), na região norte do Paraná.

Outra opção pode ser feita pela própria Régis, no km 384, em Juquiá (158 km de São Paulo). Neste município é possível acessar a SP-079 que conduz a Sorocaba. Assim o motorista pode retornar à rodovia Castello Branco até Ourinhos e voltar ao Paraná.

"A viagem aumentará em média entre 100 a 150 km nas opções alternativas", disse o inspetor Edson Varanda, do setor da comunicação social da PRF, em São Paulo.

Por: Dimitri do Vale

veja também