MENU

Jaqueline ganhou dinheiro em três ou quatro encontros, diz assessoria

Jaqueline ganhou dinheiro em três ou quatro encontros, diz assessoria

Atualizado: Terça-feira, 15 Março de 2011 as 9:46

A assessoria da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) disse nesta segunda-feira (14) que a parlamentar esteve com o pivô do escândalo do mensalão do DEM, Durval Barbosa, entre “três a quatro vezes” para receber dinheiro com o objetivo de financiar campanha para a vaga de deputada distrital de 2006. Em todos os encontros, segundo a assessoria, “os valores foram diferenciados”.

A deputada aparece ao lado do marido, Manoel Neto, em um vídeo no qual o casal recebe um pacote de dinheiro das mãos de Barbosa, à época diretor da Companhia de Desenvolvimento do Planalto Central (Codeplan), durante o governo de Joaquim Roriz, pai da deputada.

A informação da assessoria confirma o depoimento de Barbosa ao Ministério Público Federal. Segundo o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o delator do escândalo de corrupção no governo do Distrito Federal revelou ter feito outros repasses de dinheiro a Jaqueline Roriz, além daquele que aparece no vídeo divulgado em 4 de março.

Ainda nesta segunda, a deputada do PMN divulgou nota na qual disse ter recebido dinheiro de Durval Barbosa e ainda comunicou o pedido de licença médica das atividades na Câmara pelo período de cinco dias.

Segundo a assessoria da deputada, uma “variação de pressão” foi o que levou a deputada Jaqueline a pedir licença.

Na nota, Jaqueline também afirmou que os recursos financiaram a sua campanha para deputada distrital, em 2006, e não foram informados na prestação de contas entregue à Justiça Eleitoral. “Durante a campanha eleitoral de 2006 estive algumas vezes no escritório do senhor Durval Barbosa, a pedido dele, para receber recursos financeiros para a campanha distrital, que não foram devidamente contabilizados na prestação de contas da campanha”, diz o texto da nota.

Mais cedo, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, determinou a aabertura de inquérito para investigar a deputada.

Por Robson Bonin

veja também