MENU

Jovens pedem apuração de irregularidades na eleição do Rio

Jovens pedem apuração de irregularidades na eleição do Rio

Atualizado: Segunda-feira, 3 Novembro de 2008 as 12

Jovens pedem apuração de irregularidades na eleição do Rio

Mais de 3 mil jovens fizeram uma manifestação nesta sexta-feira, dia 31 de outubro, no centro da cidade, pedindo eleições mais transparentes para o Rio de Janeiro. A passeata saiu da Cinelândia e se concentrou em frente ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Os coordenadores do movimento protocolaram no TRE um documento pedindo a apuração de denúncias contra os políticos que se candidataram às eleições municipais no Rio.

Com o rosto pintado, usando nariz de palhaço e agitando bandeiras, os estudantes se reuniram depois de trocar mensagens em comunidades da internet. Segundo Manoel Alves, um dos fundadores da comunidade virtual Movimento Pró-Democracia, que tem mais de 13.500 membros, a idéia da mobilização surgiu domingo (26) depois da apuração dos votos no segundo das eleições. Alves disse que a população se juntou por suspeitar que houve irregularidades na contagem dos votos.

Outro manifestante, Pablo Leal, ressaltou que a iniciativa não é contra, nem a favor de nenhum candidato, mas a favor da investigação daqueles que concorreram para vereador e prefeito. Segundo ele, o objetivo é exigir a apuração das denúncias de práticas ilegais por parte de equipes de candidatos no dia da eleição, como boca-de-urna, troca de merenda por votos e distribuição de panfletos apócrifos.

“Fomos, então, ao TRE e verificamos que existem 18 processos contra um candidato e nenhum contra o outro. Nós queremos que isso tudo seja apurado", disse Pablo.

A assessoria do TRE informou que, no dia da votação, apenas uma urna, no bairro do Leblon, deu defeito e realmente não pôde pôde ser recuperada, mas que os 250 votos daquela seção eleitoral não fizeram diferença, já que, no segundo turno, mais de 55 mil votos separaram o primeiro colocado do segundo.

Além disso, todos os processos abertos no período eleitoral ainda estão sendo apurados e a maioria deles é referente à propaganda irregular, acrescentou a assessoria do tribunal. De acordo com a assessoria, uma das provas de que a Justiça Eleitoral buscou eleições limpas foi a apreensão, domingo, de cerca de 90 mil panfletos da campanha do Eduardo Paes, que foi o vencedor da disputa.

Na quarta-feira, dia 29 de outubro, o presidente do TRE, Alberto Motta Moraes, classificou as denúncias de "uso da máquina pública" para influenciar o resultado das últimas eleições de "manifestações típicas que se seguem a uma derrota".

veja também