Julgamento de acusado de mandar matar Stang é adiado

Julgamento de acusado de mandar matar Stang é adiado

Atualizado: Quarta-feira, 31 Março de 2010 as 12

O terceiro julgamento do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, acusado de envolvimento na morte da missionária Dorothy Stang, marcado para esta quarta-feira (31), foi adiado. Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Pará, o advogado de defesa Eduardo Imbiriba não foi até o Fórum Criminal, em Belém. Ele encaminhou uma petição ao juiz Raimundo Moisés Flexa, da 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Belém, dizendo que aguarda o julgamento de um recurso de habeas corpus, que tramita no Supremo Tribunal Federal.

Bida deve enfrentar novamente o júri em 12 de abril. O juiz reclamou da ausência do advogado e designou os defensores públicos Alex Noronha e Paulo Bona para atuarem na assistência do réu. Ele ainda deve pedir providências à Ordem dos Advogados do Brasil.

Em maio de 2007, Moura foi condenado a 30 anos de prisão. Como a pena era superior a 20 anos, ele teve direito a novo julgamento e foi absolvido, em maio de 2008.  

Em abril do ano passado, o julgamento foi anulado . O fazendeiro foi preso em fevereiro deste ano, depois de se apresentar à polícia.

Outros três acusados de participação no caso, Rayfran das Neves Sales, Clodoaldo Carlos Batista e Amair Feijoli da Cunha, foram julgados e condenados a penas que variam de 17 a 27 anos de reclusão. Nesta semana, eles conseguiram o benefício da saída temporária e devem passar o feriado da Páscoa com a família. 

Regivaldo Pereira Galvão, que também é réu no processo, deve ser julgado em abril. Ele aguarda julgamento em liberdade. 

Crime

A missionária norte-americana Dorothy Stang foi morta a tiros em 12 de fevereiro de 2005, em Anapu (PA). Segundo a Promotoria, a missionária foi assassinada porque defendia a implantação de assentamentos para trabalhadores rurais em terras públicas que eram reivindicadas por fazendeiros e madeireiros da região.

veja também