Julgamento de liberdade do goleiro Bruno é adiado para próxima semana

Julgamento de liberdade do goleiro Bruno é adiado para próxima semana

Atualizado: Quarta-feira, 6 Abril de 2011 as 4:33

O julgamento de habeas corpus do goleiro Bruno Fernandes, que seria realizado nesta quarta-feira (6), pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em Belo Horizonte, foi adiado para a próxima quarta-feira (13). A transferência aconteceu porque o desembargador Doorgal Andrada pediu vista do processo. Com isso, o relator vai ter mais tempo para analisar o pedido de liberdade do goleiro, reú no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio.

A decisão foi tomada após pronunciamento do advogado Cláudio Dalledone Júnior durante a sessão. A defesa alegou que o goleiro "detém todos os predicados para ficar em liberdade" até a data do júri e argumentou que Bruno tem domicílio certo, bons antecedentes e é réu primário. "É uma presunção da inocência às avessas. O que se assiste aqui é a presunção da culpa", disse ao se referir que Bruno ainda não foi condenado e está preso há oito meses. "A Justiça neste caso é que ele responda em liberdade. Ele tem direito", completou.

Entenda o caso

Em 2009, Eliza Samudio teve um relacionamento com o goleiro Bruno, engravidou e afirmou que o pai de seu filho é o atleta. O bebê nasceu no início de 2010 e, agora, está com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul. O corpo de Eliza não foi encontrado.

A Justiça de Minas Gerais aceitou a denúncia do Ministério Público contra Bruno e outros oito envolvidos no desaparecimento e morte de Eliza e, a pedido do MP, decretou a prisão preventiva de todos os acusados.

Em dezembro do ano passado, a ex-mulher de Bruno, Dayanne; a ex-namorada de Bruno, Fernanda Gomes de Castro; o caseiro do sítio, Elenílson Vítor da Silva, e Wemerson Marques, o Coxinha, foram soltos e responderão em liberdade. O goleiro, o amigo Macarrão e o primo Sérgio continuam presos e vão a júri popular por sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, também está preso e vai responder no júri popular por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.      

veja também