MENU

Justiça nega pagamento de R$ 9,5 milhões a empresa envolvida em escândalo no governo do DF

Justiça nega pagamento de R$ 9,5 milhões a empresa envolvida em escândalo no governo do DF

Atualizado: Segunda-feira, 8 Fevereiro de 2010 as 12

O juiz Vinícius Santos Silva, da 7ª Vara de Fazenda Pública do Distrito Federal, negou o pedido de cobrança judicial da empresa de informática Linknet ao governo do Distrito Federal. A Linknet, de propriedade do empresário Gilberto Lucena - flagrado nas investigações da Polícia Federal negociando propina destinada ao esquema supostamente comandado pelo governador José Roberto Arruda (sem partido) – reclama que o governo deve três parcelas que somam R$ 9,5 milhões pelo serviço de informática prestado ao governo do DF.

A empresa pediu na Justiça o direito de paralisar os serviços de Datacenter prestados ao governo Arruda enquanto a dívida não fosse quitada. O juiz rejeitou a hipótese de que as máquinas da Linknet fossem retiradas e o serviço suspenso, alegando que a paralisação poderia gerar “uma verdadeira desorganização do funcionamento do aparelho estatal, com graves prejuízos à sociedade”.

Na decisão, o juiz aconselha ao governo do DF que mantenha a suspensão dos pagamentos até a administração dispor de “segurança jurídica” para manter o relacionamento com a empresa acusada de financiar esquema de propina.

A Linknet foi procurada, mas não se pronunciou sobre a sentença. A empresa ainda pode recorrer da decisão.

No orçamento do governo do DF de 2010 havia a previsão de pagamento de mais de R$ 500 milhões a mais de 20 empresas citadas no inquérito 650 do MPF (Ministério Público Federal). A CGU (Controladoria-Geral da União) também apura o destino de R$ 1,8 bilhão do governo federal a empreendimentos do governo Arruda.

Por: Josie Jeronimo

veja também