MENU

Kassab diz que fez campanha correta e que confia na Justiça

Kassab diz que fez campanha correta e que confia na Justiça

Atualizado: Segunda-feira, 22 Fevereiro de 2010 as 12

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), descartou nesta segunda-feira irregularidades na arrecadação de recursos para nas eleições de 2008. Segundo o prefeito, que teve o mandato cassado por receber doações ilegais, a campanha foi correta, com transparência e ética.

"O importante é que toda a nossa campanha foi feita de maneira correta, com muita transparência, com muita ética. E que todos saibam que nós confiamos na Justiça. Vamos aguardar a manifestação da Justiça mais uma vez, até porque ela já se manifestou pela aprovação das nossas contas", disse o prefeito, após inauguração do Cras (Centro de Referência de Assistência Social) na Vila Formosa, zona leste de São Paulo.

Questionado sobre a legalidade das doações, Kassab afirmou que esse foi um problema de questão técnica e jurídica e que não há nenhuma acusação no campo moral. Ele também afirmou que essas doações já ocorreram em campanhas de diversos candidatos a vários cargos diferentes.

"O meu compromisso é administrar São Paulo com seriedade, transparência, principalmente com ações no campo social para melhorar a vida das pessoas na cidade", afirmou.

Aparentando tranquilidade em relação ao pedido de cassação, Kassab brincou com o resultado dos jogos do campeonato paulista de futebol. "O que me deixou aflito ontem foi a derrota do São Paulo", comentou.

A vice-prefeita Alda Marco Antonio, que também teve o mandato cassado, participou da inauguração do Cras ao lado do prefeito. Ela disse que está confiante que tudo será esclarecido e confia na Justiça. Além da cassação dos mandatos, a decisão da Justiça Eleitoral torna o prefeito e a vice inelegíveis por três anos.

Na semana passada, o juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Aloísio Silveira, cassou o mandato de Kassab por recebimento de doações ilegais na campanha de 2008. A decisão deve ser publicada no "Diário Oficial" de terça-feira, quando passa a valer oficialmente a cassação.

O juiz também cassou o diploma de oito vereadores: Antonio Donato Madormo (PT), Arselino Roque Tatto (PT), Gilberto Tanos Natalini (PSDB), Italo Cardoso Araújo (PT), José Américo Ascêncio Dias (PT), José Police Neto (PSDB), Juliana Cardoso (PT) e Marco Aurélio de Almeida Cunha (DEM).

Os advogados que defendem o prefeito devem recorrer nesta segunda-feira da decisão. Em nota divulgada ontem (21), a defesa afirma que "interporá recurso que, à semelhança de casos antecedentes, deve resultar na reforma da sentença e na confirmação da vontade popular."

Os advogados negaram irregularidades nas doações. "As contribuições foram feitas seguindo estritamente os mandamentos da lei - que é a mesma desde 1997-- e já foram analisadas e aprovadas sem ressalvas pela Justiça Eleitoral."

Por: Tatiana Santiago

veja também