MENU

Laudo de perícia em caminhão que matou 4 deve sair em 30 dias na BA

Laudo de perícia em caminhão que matou 4 deve sair em 30 dias na BA

Atualizado: Segunda-feira, 17 Outubro de 2011 as 1:10

A polícia de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, região metropolitana de Salvador, aguarda os resultados da perícia realizada no caminhão que desceu desgovernado uma ladeira e atingiu pelo menos 20 pessoas que participavam de uma festa na manhã de sábado (15), em comemoração ao Dia das Crianças. O prazo para finalização do laudo é de cerca 30 dias.

Quatro pessoas morreram, entre elas duas crianças de sete anos, um adolescente de 14 e uma mulher de 49 anos. Todos foram enterrados no domingo (16), na Ilha de Itaparica, em cerimônias marcadas por muita emoção e desespero dos familiares. Seis pessoas permanecem internadas em hospitais de Salvador. Um menino de sete anos teve a perna amputada.

Segundo o titular da unidade policial que investiga o acidente, delegado Lúcio Ubiracê, o motorista poderá responder por homicídio culposo. Ele não é proprietário do veículo, que segundo a polícia, pertence à loja de material de construção, para quem prestava serviços e onde era realizada a festa onde as vítimas estavam reunidas. Mas foi o condutor que estacionou o veículo na ladeira e contou em depoimento na delegacia que havia colocado um calço de madeira nas rodas para assegurar-se de que, mesmo com o freio de mão acionado, ele não desceria o declive.   “Primeiro, precisamos esperar o laudo que foi feito no veículo e que deve sair em um prazo de 30 dias. O trabalho foi realizado por peritos de Santo Antônio de Jesus e devem indicar se houve falta de manutenção, o que significa negligência, ou falha mecânica no veículo”, explica Ubiracê.

Ainda segundo o delegado, o motorista disse que estacionou o caminhão na noite anterior (sexta-feira) porque havia chegado com o veículo carregado de argamassa quando a loja já estava fechada. “Pela manhã, ele ainda entrou na cabine do caminhão, pegou algumas coisas e checou o nível de água e óleo”, relata. O titular diz que o motorista ajudou no socorro às vítimas, mas deixou o local do acidente por temer linchamento por parte dos parentes das vítimas. À tarde, ele se apresentou espontaneamente, acompanhado por um advogado.

O dono da loja de material de construção ainda não foi ouvido pela polícia, mas deve ser convocado ainda nesta segunda-feira para prestar esclarecimentos e também pode ser responsabilizado, a depender do resultado da perícia. Parentes das vítimas também serão ouvidas pelo delegado Lúcio Ubiracê.

Acidente

Caminhão estava carregado com argamassa

(Foto: Reprodução/ TVBA)

  O caminhão estava parado no mesmo passeio, onde um pouco mais à frente, era realizada a festa em comemoração ao Dia das Crianças. O proprietário da loja de material de construção armou um toldo e colocou todas as pessoas no local.

“O motorista disse que o caminhão desceu sozinho, que ninguém se apoiou, nem subiu. Mesmo assim, ele desceu a ladeira desgovernado, derrubou o toldo e atropelou um monte de gente que estava comemorando, inclusive as crianças”, narra o delegado.

Parentes da mulher de 49 anos que morreu no acidente contam que ela conseguiu salvar os três filhos e outras crianças que estavam na festa. “Ela estava do lado oposto e quando viu o caminhão descendo, ela foi, jogou os filhos dela para o lado e outras crianças, mas tomou aquela pancada”, relata a irmã Cláudia Sulamita.

A moradora Edjane Gomes conta que os filhos dela estavam na festa e conseguiram escapar, mas o sobrinho foi atingido e está internado em Salvador. "Quando o caminhão desceu, saiu arrastando todo mundo", lembra.

O caminhão foi levado para o distrito de Barra Grande, na Ilha de Itaparica. Segundo o delegado, a polícia teme que o veículo seja alvo de vandalismo.

Internados

Uma mulher de 20 anos, que sofreu fissura na bacia, permanece internada nesta segunda-feira com quadro de saúde estável na enfermaria do Hospital do Subúrbio. Um garoto de 8 anos, também com trauma na bacia, está internado na UTI, em situação estável. Um menino de 4 anos sofreu fratura na mandíbula e está em observação na enfermaria da mesma unidade de saúde.

No Hospital Geral do Estado, está internado o garoto de 6 anos que teve uma perna amputada. Segundo os médicos, o estado dele é estável. Uma menina de 10 anos está na UTI e respira sem ajuda de aparelhos.

Um garoto de 11 anos foi transferido do HGE para o Hospital Agenor Paiva. Ele sofreu ferimento no ombro.          

veja também