MENU

Lei sobre cadeirinha entra em vigor em setembro

Lei sobre cadeirinha entra em vigor em setembro

Atualizado: Quarta-feira, 18 Agosto de 2010 as 9:48

A partir do dia 1.º de setembro passa a valer em todo o Brasil a resolução 277/2008 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que prevê a obrigatoriedade do uso de assentos especiais para crianças de zero até sete anos.

Quem desrespeitar a resolução estará cometendo uma infração gravíssima. O veículo ficará retido até que esteja regularizado e o condutor deverá pagar multa e receber sete pontos na carteira de habilitação.

Para a coordenadora de educação para o trânsito do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran/PR), Maria Helena Gusso Mattos, os pais não precisam esperar até a data limite para adquirir o assento.

"Pais ou responsáveis devem entender que o uso da cadeirinha não é um luxo, mas sim uma necessidade. Eles precisam ter ciência do perigo que é ter uma criança solta no banco de trás. Quanto antes utilizar este assento, mais seguro ficará o seu filho", conta.

Mattos informa ainda que, embora a lei diz que o uso da cadeira deve ser até os sete anos, o ideal é que o período seja um pouco mais estendido. "Os cintos nos bancos de trás foram feitos para pessoas com no mínimo 1,45m. Dificilmente uma criança com esta idade terá esta altura. Portanto, é importante que os pais mantenham a cadeira até que seus filhos atinjam este tamanho. Por mais que a resolução não os obrigue, eles devem pensar na segurança de seus filhos", avalia.

Vendas

Com o prazo final para adequação esteja perto de encerrar, o movimento nas lojas que vendem estas cadeiras tende a aumentar. A gerente de vendas da loja Xiquita, Lismari Gribner Gonçalves, conta que esperam triplicar a procura pelo assento.

"Aos domingos, o volume de vendas das cadeiras é de 50% a 60%. Algumas marcas estão em falta e só devem chegar em janeiro. O preço delas varia de R$ 260 até R$ 1,5 mil. Os pais que não quiserem enfrentar filas ou encontrar o modelo desejado, devem se apressar", conclui.

Postado por: Thatiane de Souza

veja também