Letícia Colin e Pierre Baitelli despertam para os palcos

Letícia Colin e Pierre Baitelli despertam para os palcos

Atualizado: Quinta-feira, 11 Março de 2010 as 12

Letícia Colin, 20 anos, e Pierre Baitelli, 26, deixaram suas casas no Rio de Janeiro para se aventurarem pela primeira vez em um palco de São Paulo. Eles estreiam nesta quinta-feira (11), no Teatro Sérgio Cardoso, o musical O Despertar da Primavera (adaptação da peça da Broadway Spring Awakening , de 2007), que aborda o descobrimento da sexualidade na adolescência embalado pelo rock. O Terra esteve em um dos últimos ensaios do espetáculo antes de sua estreia, na terça-feira (9). Atrás do palco, jovens entre 16 e 26 anos saltitam pelas escadarias, cantarolando ou fazendo exercícios de voz. Um ou outro aproveita o intervalo do ensaio para navegar na internet ou conversar com o namorado (a) pelo telefone. O clima é de total descontração. Não é para menos. Eles passaram os últimos seis meses juntos, tempo em que a peça ficou em cartaz no Rio de Janeiro. "Criamos uma amizade muito sincera, temos os mesmos interesses, combinamos de jantar e ir ao cinema juntos. No começo até rolou uns namoricos entre o pessoal do elenco", contou Letícia Colin, uma das estrelas do musical. Após encenar trechos do musical que passaram por alguns problemas no ensaio do dia anterior, Letícia se dirigiu para a entrevista. A atriz conversou com exclusividade com a reportagem do Terra ao lado de Pierre Baitelli. Ambos são rostos conhecidos na TV. Letícia está no ar na pele de Ana na minissérie épica A História de Ester (Record), e já viveu a polêmica Vivi em Chamas da Vida (Record, de 2008/2009) e a meiga Kailani em Malhação (Globo, de 2002). Baitelli interpretou recentemente o vilão gay Carlo na minissérie Cinquentinha (Globo), de Aguinaldo Silva. Os atores falaram sobre o desafio de soltar a voz nos palcos. Baitelle chegou a duvidar se seria capaz de cantar em um musical. "Eu realmente tinha uma insegurança muito grande em relação ao canto. Hoje o pânico que eu sentia de cantar reduziu excepcionalmente. Os seis meses de temporada no Rio me fizeram confiar no meu trabalho. Eu estudei, me preparei e cuidei do meu corpo e da minha voz. Agora me sinto confortável para abrir a boca e cantar. O prazer de estar na peça é tão grande quanto o temor de cantar", disse ele, que interpreta Melchior. Letícia também não tinha grande experiência com canto quando foi aprovada no teste para viver a libertina Ilse, mas encarou a oportunidade de forma despretensiosa. "O Despertar foi bom para eu me entender e descobrir meu corpo e voz. Para fazer um musical é preciso estar com a vida equilibrada. A voz é um canal muito ligado à mente, então não vale a pena se estressar", afirmou. Depois de receber boas críticas como Vivi, a menina vítima de um pedófilo da novela Chamas da Vida , Letícia volta a interpretar uma personagem polêmica e densa. Em Despertar , Ilse é uma jovem que foge de casa após ser abusada pelo pai. Ela, então, vai morar com artistas e passa a ter uma vida boêmia, libertina. "Apesar de seu passado pesado, ela consegue dar a volta por cima e achar graça no mundo", disse. O Despertar da Primavera foi sucesso de crítica e público no Rio de Janeiro, assim como aconteceu quando estreou na Broadway, em 2007. O espetáculo arrebatou oito prêmios Tony - o Oscar do teatro americano - no mesmo ano. A peça também foi premiada no Brasil. Ela levou dois principais troféus no Prêmio Arte Qualidade Brasil e lidera as indicações ao Prêmio Shell de Teatro, que elegerá em março os melhores espetáculos que passaram pelo Rio em 2009. Segundo Baitelli, a mistura de um texto clássico (do dramaturgo alemão Frank Wedekind, escrito em 1891) com uma leitura jovem e "pegada" rock foi determinante para o sucesso do espetáculo. Letícia ainda complementa: "o jovem estava carente de algo que não subjugasse a inteligência dele. O Despertar aborda temas como suicídio e gravidez na adolescência de maneira natural, como parte da vida". O espetáculo chega a São Paulo com prêmios na bagagem e atores mais preparados. "Nós evoluímos muito. Havia pessoas do elenco que eram mais atores e menos cantores e outras que eram mais cantores e menos atores. Hoje isso está equilibrado", frisou Baitelli. A expectativa para uma temporada de sucesso é grande. "Ter essa expectativa toda pode ser um risco. Só nos resta dar o nosso melhor. Feito isso, o público deve nos receber de uma forma boa", completou o ator. Letícia concordou com o colega e disse acreditar que o sucesso vem da dedicação dos envolvidos na peça. "Você não consegue enganar o público em um musical, não dá para fazer mais ou menos. São 2h30 de espetáculo, se você não colocar para quebrar do começo ao fim, seja você do coro ou personagem principal, as pessoas vão perceber e não se emocionarão", opinou. Em O Despertar da Primavera , Letícia e Baitelli dividem o palco com Malu Rodrigues, Rodrigo Pandolfo (este indicado a melhor ator no Prêmio Shell) e mais 17 atores. A peça fica em cartaz em São Paulo até o dia 2 de maio.

Por: Ana Carolina Moura

veja também