MENU

Lindemberg chega a fórum para 2º dia de júri do caso Eloá

Lindemberg chega a fórum para 2º dia de júri do caso Eloá

Atualizado: Terça-feira, 14 Fevereiro de 2012 as 8:50

Lindemberg Alves chegou por volta das 8h20 desta terça-feira ao Fórum de Santo André, no ABC Paulista, para o segundo dia de seu julgamento pela morte da ex-namorada Eloá Pimentel, em outubro de 2008. A sessão de hoje deve ser marcada pelo depoimento da família da vítima.

No primeiro dia, foram ouvidos Nayara Rodrigues, Iago Vilela e Victor Lopes, que permaneceram em cárcere privado com a vítima, em Santo André, no ABC Paulista, além de um sargento da Polícia Militar. Após as testemunhas, há expectativa de que Lindemberg fale, após mais de três anos de silêncio sobre o crime.

O primeiro a ser ouvido hoje será Ronickson Pimentel dos Santos, o irmão mais velho de Eloá, última testemunha de acusação. Também devem ser ouvidas as testemunhas de defesa: Ana Cristina Pimentel, mãe de Eloá, Marcos Antonio Cabello, ex-advogado da família de Lindemberg, Douglas, outro irmão de Eloá, Rodrigo Hidalgo, jornalista, Márcio Campos, também jornalista, Dairse Aparecida Pereira Lopes, perita, Hélio Rodrigues Ramacciotti, perito, Sérgio Luditza, delegado, Adriano Giovanini, policial militar do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), e Paulo Sérgio Schiavo, também do Gate.

Ontem, Nayara, que sobreviveu ao desfecho do cárcere privado, afirmou que a intenção de Lindemberg, desde a invasão do apartamento, era matar Eloá. "Quando Lindemberg chegou ao apartamento, ele se surpreendeu com a minha presença e a de mais dois amigos na casa de Eloá, onde faríamos um trabalho de escola. Ele rendeu todo mundo e, em determinado momento, disse que a intenção dele era matar a Eloá e sair andando", disse.

Os amigos de Eloá, Iago e Victor, que foram mantidos reféns no primeiro dia do cárcere, confirmaram a versão de Nayara. "Ele falava que ia matar todo mundo e depois se matar. Que ia matar a Eloá e depois se matar.

Falou que ninguém ia sair vivo de lá", disse Iago, que passou cerca de 11 horas no local.

A defesa exibiu reportagens em que é questionada a ação do Gate e o trabalho da imprensa. "Todos, no meu ponto de vista, são corresponsáveis (pela tragédia). Inclusive a sociedade", afirmou a advogada Ana Lúcia Assad, que representa Lindemberg, ao explicar porque quis exibir as reportagens ao júri, formado por seis homens e uma mulher.

O mais longo cárcere de SP

A estudante Eloá Pimentel, 15 anos, morreu em 18 de outubro de 2008, um dia após ser baleada na cabeça e na virilha dentro de seu apartamento, em Santo André, na Grande São Paulo. Os tiros foram disparados quando policiais invadiam o imóvel para tentar libertar a jovem, que passou 101 horas refém do ex-namorado Lindemberg Alves Fernandes. Foi o mais longo caso de cárcere privado no Estado de São Paulo.

Armado e inconformado com o fim do relacionamento, Lindemberg invadiu o local no dia 13 de outubro, rendendo Eloá e três colegas - Nayara Rodrigues da Silva, Victor Lopes de Campos e Iago Vieira de Oliveira. Os dois adolescentes logo foram libertados pelo acusado. Nayara, por sua vez, chegou a deixar o cativeiro no dia 14, mas retornou ao imóvel dois dias depois para tentar negociar com Lindemberg. Entretanto, ao se aproximar do ex-namorado de sua amiga, Nayara foi rendida e voltou a ser feita refém.

Mesmo com o aparente cansaço de Lindemberg, indicando uma possível rendição, no final da tarde no dia 17 a polícia invadiu o apartamento, supostamente após ouvir um disparo no interior do imóvel. Antes de ser dominado, segundo a polícia, Lindemberg teve tempo de atirar contra as reféns, matando Eloá e ferindo Nayara no rosto. A Justiça decidiu levá-lo a júri popular.

veja também