Lula aproveita visita ao Paraná para conseguir apoio para Dilma Rousseff

Lula aproveita visita ao Paraná para conseguir apoio para Dilma Rousseff

Atualizado: Sexta-feira, 12 Março de 2010 as 12

A visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Paraná nesta sexta-feira (12) serve também para alinhar apoios políticos à candidatura presidencial de Dilma Rousseff (PT). O presidente afirmou que todo candidato que quiser governar o Brasil precisa ter um bom relacionamento com o Paraná. Lula visita obras de ampliação na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, e também a fábrica da Positivo Informática, em Curitiba. Durante a tarde segue viagem para Londrina (Norte).

Na Repar, a composição da mesa de autoridades para discursar gerou certo desconforto em dois desafetos. Lula fez questão que o governador Roberto Requião (PMDB) sentasse ao lado do ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo. Na última sexta-feira (5) Bernardo entrou com uma ação civil na Justiça contra Requião.

RPC TV

Presidente Lula visita obras nesta sexta em Araucária, Curitiba e Londrina

O governador acusou o ministro de ter utilizado dinheiro público para comprar uma rádio e de ter superfaturado o valor de um ramal ferroviário que seria construído na região de Guarapuava. A indenização pedida por Bernardo é de R$ 100 mil. A briga entre os dois virou pública com o governador atacando o ministro durante pelo microblog Twitter e durante algumas transmissões da Escola de Governo.

A presença de Lula não fez o mal-estar Requião e Bernardo diminuir. Na mesa das autoridades os dois políticos não se cumprimentaram nem se olharam durante o tempo que permaneceram lado a lado.

Atraso e campanha

No início da manhã desta sexta o Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, ficou fechado por cerca de 2 horas, em razão de um forte nevoeiro. Com isso, o voo trazendo o presidente Lula e a comitiva demorou para decolar da base aérea de Brasília. O avião presidencial pousou por volta das 9h55.

Já na chegada ao Afonso Pena o presidente concedeu uma entrevista ao deputado estadual Luiz Carlos Martins (PDT) na Rádio Banda B. A conversa durou cerca de 40 minutos e depois o presidente seguiu de helicóptero para a Repar, onde chegou por volta das 11h15. Na entrevista no Afonso Pena o presidente afirmou que a intenção do PT é fazer uma grande aliança em torno da candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.

"Qualquer um que queira governar o Brasil tem que passar pelo Paraná", disse. O presidente reconheceu, no entanto, a dificuldade de uma unificação de outros partidos em torno de uma candidatura. "Isso é fácil de falar, mas muito difícil de fazer. Se Dilma for mesmo a candidata, ela tem que manter relações com o Paraná, ter um bom relacionamento com o governador Requião e com outros partidos", afirmou.

O presidente disse que não é apenas no Paraná que haverá dificuldades para as alianças políticas. "Quando existe mais de um candidato ao governo surgem complicações para alianças, mas isso é bom para a democracia. Acredito que sempre devemos manter a boa relação que construímos no passado", afirmou. O governador Roberto Requião (PMDB) e o vice Orlando Pessuti acompanharam a entrevista com o presidente.

veja também