MENU

Lula diz ser solidário à posição do Brasil na ONU quanto à Líbia

Lula diz ser solidário à posição do Brasil na ONU quanto à Líbia

Atualizado: Terça-feira, 22 Março de 2011 as 8:17

Ao ser homenageado pela Federação das Associações Muçulmanas do Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ser solidário quanto à posição do governo brasileiro no Conselho de Segurança da ONU, que se absteve quanto à resolução contrária ao regime do ditador da Líbia, Muammar Gaddafi e disse que o organismo multilateral está "enfraquecido".

"Sou solidário à posição do Brasil que se absteve na ONU contra a invasão. Essas invasões só acontecem porque as Nações Unidas estão enfraquecidas", disse num jantar no clube Monte Líbano, na zona sul de São Paulo.

O ex-presidente disse ainda que caso fosse mais moderno, o órgão das Nações Unidas teria lidado com a crise de forma diferente.

"Se tivéssemos uma representação do século 21, em vez de mandar avião para bombardear, a ONU teria mandado seu secretário-geral para negociar", afirmou.

Ao defender seu argumento, Lula não citou em momento algum o nome de Gaddafi.

RELAÇÃO COM PAÍSES ÁRABES

Ainda durante o jantar, Lula ressaltou o aumento de 167% no comercio bilateral entre o Brasil e os países árabes durante seu governo, e foi elogiado por representantes da comunidade pelo seu reconhecimento ao Estado palestino.

Ao comentar o processo de paz no Oriente Médio e justificar seu apoio, Lula disse que o povo palestino "era muito mais vítima do que terrorista" e criticou ainda os países ricos por manifestarem preconceito contra os muçulmanos durante operações de segurança devido ao combate ao terrorismo.

Pouco antes do evento, a assessoria do ex-presidente entrou em contato com os organizadores para acertar que não fossem feitas referências diretas ao ditador da Líbia, Muammar Gaddafi, em momento algum.

Ainda durante as homenagens, um vídeo de 7 minutos sobre as visitas de Lula aos países árabes foi apresentado.

Por Bernardo de Mello Franco

veja também