MENU

Mãe do menor, primo de Bruno, afirma que não acredita no depoimento do filho

Mãe do menor, primo de Bruno, afirma que não acredita no depoimento do filho

Atualizado: Quinta-feira, 15 Julho de 2010 as 10:56

A mãe do adolescente de 17 anos, primo do goleiro Bruno Fernandes, e que contou à polícia detalhes sórdidos sobre o assassinato da ex-amante do goleiro, Eliza Samudio, disse na manhã desta quinta-feira (15), em entrevista ao Programa Mais Você, da Rede Globo, que o filho já mentiu várias vezes e que ele pode estar mentindo também nos depoimentos. Ela afirmou que o filho é usuário de drogas e que inclusive chegou a ser ameaçado por traficantes.  Segundo a mulher, foi Bruno quem ajudou o jovem a se livrar das drogas e das ameaças.

"Ele mente. Mentiu muitas vezes para mim. Aí fica difícil de acreditar. Só olhando cara a cara com ele para ver se está falando a verdade. Já mentiu várias vezes sobre as drogas. Só fiquei sabendo que ele estava sendo ameaçado de morte por traficantes porque se desesperou e me contou. Acho que ele pode estar mentindo no depoimento também", afirmou.

A mulher de 39 anos, que não mostrou o rosto, afirmou que o filho morava com o goleiro, no Rio de Janeiro, há dois meses, depois que ela mesma pediu ajuda a Bruno. A mulher contou também o adolescente ia começar a estudar no Rio no início do mês.

A mulher também afirmou durante a entrevista que ficou sabendo sobre o desaparecimento de Eliza através da imprensa. Ela disse que conhece Bruno desde os 6 anos e que só vai acreditar nas denúncias que "caem em cima" do goleiro e dos outros envolvidos, inclusive do filho, quando tudo for comprovado. Ela contou também que o goleiro foi abandonado pela mãe, que mora em Salvador (BA) com 3 dias de vida. “Bruno era uma ótima criança, sempre gostou de futebol e sempre teve este objetivo de ser jogador. Ele queria ser atacante”, disse.  

Quando perguntada se ela falou com o  filho depois que o caso veio à tona, a mulher respondeu que conversou com ele. "Fiquei preocupada, mas a gente não acreditava nesta história. Ninguém acreditava. Achei um absurdo isso aí (depoimento). Não acreditei nisso. Até agora não acredito. Só vou acreditar quando tudo estiver comprovado", disse. A mãe concluiu a entrevista afirmando que o filho precisará de ajuda psicológica. “Queria avisar que ele não está sozinho, que estamos com ele”, disse.

veja também