MENU

Mãe é presa em MT por suspeita de envenenar filho de 6 anos, diz polícia

Mãe é presa em MT por suspeita de envenenar filho de 6 anos, diz polícia

Atualizado: Terça-feira, 23 Novembro de 2010 as 4:25

Uma mulher de 27 anos foi presa, em flagrante, por suspeita de ter envenenado o filho de 6 anos, na madrugada desta segunda-feira (22), em Coalinho (MT). Os outros dois filhos, de 9 e 10 anos, ficaram intoxicados e foram levados para o Hospital de Urgências de Goiânia, na capital goiana, onde permanecem internados. Segundo a polícia, as crianças beberam xarope caseiro com chumbinho.  Em depoimento, a mãe negou o crime, mas o namorado dela - que também foi preso - confirmou o plano para matar as crianças.   Segundo o delegado Antonio Moura Filho, da Delegacia Regional de Água Boa (MT), o plano teria sido elaborado no domingo (21). "No depoimento do namorado da mãe das vítimas, ele nos contou que atendeu a um pedido dela para comprar chumbinho. Segundo ele, a namorada disse que queria 'matar uns bichos com osso'. Em seguida, ela colocou o veneno no xarope e deixou a mistura pronta para dar aos filhos logo de manhã."

Moura disse que, ainda segundo depoimento do namorado da mãe das crianças, que a mãe deu a mistura com veneno para os filhos mais velhos. "Ele revelou que ministrou o xarope para a criança menor, de 6 anos, que acabou morrendo logo em seguida."

De acordo com o delegado, o namorado não mora com a mãe das crianças e, segundo o depoimento dele, tinha bom relacionamento com as crianças. "O relacionamento dele com a mãe das crianças começou em maio deste ano. O rapaz nos disse que a namorada sempre quis se livrar dos filhos. No depoimento que ela nos prestou, ela nega, não demonstra arrependimento, mostra frieza, muita inteligência, além de demostrar ser calculista e manipuladora", afirmou Moura.

Ele disse que pretende ouvir o dono do mercado que vendeu o chumbinho, o pai das crianças e os filhos que sobreviveram. "O casal foi preso em flagrante por homicídio triplamente qualificado e por dupla tentativa de homicídio". Moura explicou que as qualificadoras do crime são motívo fútil e torpe e envenenamento. "Nem coloquei que nos autos que as vítimas não tiveram como se defender, pois quem não beberia um remédio dado pela própria mãe? Com certeza as crianças não tiveram escolha."    

veja também