MENU

Mãe lembra de parto dentro de avião da FAB durante buscas do voo 1907

Mãe lembra de parto dentro de avião da FAB durante buscas do voo 1907

Atualizado: Quinta-feira, 29 Setembro de 2011 as 11:21

Fábio nasceu uma semana após tragédia do

voo 1907. (Foto: Leandro J. Nascimento / G1)

  Fábio de Souza Oliveira vai completar cinco anos no dia 07 de outubro e como toda criança aproveita o dia para se divertir. A realidade de Fábio não seria diferente de qualquer outra pessoa da faixa etária se não fosse o diferencial que ele nasceu em um momento em que o país inteiro vivia o clima de luto provocado, na época, pela maior tragédia da aviação civil brasileira: a queda de um Boeing em uma região de mata fechada no Norte de Mato Grosso. No acidente entre um jato Legacy e um avião do voo 1907 da Gol, 154 pessoas morreram.

O ambiente onde o garoto veio à luz em 2006 foi o interior de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que viajava entre a base aérea da Serra do Cachimbo e a capital de Mato Grosso, Cuiabá. Era na área militar para onde eram encaminhados os corpos das vítimas do acidente ocorrido em 29 de setembro do mesmo ano e o ponto de apoio a quem trabalhava no resgate.

Devido à pouca idade, Fábio não imagina qual relação há entre o episódio e sua história de vida. No entanto, o caso ganhou notoriedade quando passou a representar a celebração da vida em meio ao cenário de morte. O nome dele, Fábio, foi uma homenagem da mãe à FAB.

Parto no ar

Fábio e a mãe, Francisca Daiane dos Santos, moram em Castelo dos Sonhos, distrito localizado distante cerca de 120 quilômetros da Serra do Cachimbo. A jovem, hoje com 23 anos, lembra que o parto um tanto quanto inusitado não era esperado para aquela localidade. Contudo, as dores provocadas pela contração fizeram a mulher ser encaminhada até a base onde os militares estavam.

Francisca ao lado de Fábio e John no Pará.

(Foto: Leandro J. Nascimento / G1)

  "Eu estava indo para Peixoto de Azevedo mas não deu para chegar lá. O ônibus me levou até a base e fomos para Cuiabá. Sentia muita dor e tinha medo de morrer pois não tinha médico", declarou. Era por volta das 23h do dia 06 de outubro quando Francisca Daiane entrou em trabalho de parto. Na época, a recomendação médica era para que ela tivesse o segundo filho por meio de cezariana.

Francisca viajava na companhia da mãe, de Castelo dos Sonhos até Peixoto de Azevedo, a 692 quilômetros de Cuiabá, onde ela seria atendida. O percurso seria de 270 quilômetros, mas Fábio veio ao mundo antes que se pudesse chegar ao destino final.   "Na base, me socorreram e disseram para não me apavorar, pois íamos chegar logo em Cuiabá e que teria um médico esperando". Ela embarcou em um avião da FAB mas não houve tempo para chegar à capital e a criança nasceu dentro da aeronave. "Foi um alívio ver o Fábio nascer e uma alegria", contou a mãe. O socorro na base aérea foi pedido porque as dores da mulher levaram o motorista do ônibus a buscar auxílio na unidade militar.

Atualmente, é em um pequeno imóvel em Castelo dos Sonhos onde a mãe mora com os dois filhos. Ao relembrar do nascimento de Fábio, Francisca comemora. "Foi uma vitória da vida. Uma alegria pelo nascimento do Fábio, mas uma tristeza por quem já tinha morrido", pontuou.

O sonho

Francisca Daiane, que estudou até a segunda série e sabe ler e escrever, conta que já sofreu para arrumar emprego e garantir a criação dos dois filhos. Ela diz ter um sonho em comum para os meninos. "Quero que meus dois filhos estudem e se formem. Sejam médico e professor e não igual a mim", salientou.

A bicicleta e o videogame são companheiros fieis do menino. O irmão John Kennedy, de 8 anos, também é presença certa na hora de procurar a diversão ideal. De falar pouco e tímido, o garoto é breve ao apontar aquilo que gosta de fazer. "Eu gosto de banana e de andar de bicicleta", disse, em entrevista ao G1 .

Mãe conta que filho nasceu em momento inesperado.

(Foto: Leandro J. Nascimento / G1)

  Contato

O parto de Fábio foi feito pelo médico Ricardo Aleixo, 28 anos na época, e que na ocasião integrava o quadro de militares da Força Aérea escalados para trabalhar no resgate aos corpos do acidente com o avião da Gol. O menino nasceu om 4,7 quilos.

O último encontro entre todos que estavam no avião ocorreu após a mãe ganhar alta do hospital em Cuiabá, antes de ser levada novamente para a base aérea e seguir viagem para a residência em Castelo dos Sonhos, no Pará.              

veja também