MENU

Menino e menina que nasceram em maternidade em Santos são irmãos

Menino e menina que nasceram em maternidade em Santos são irmãos

Atualizado: Terça-feira, 22 Março de 2011 as 4:38

O menino e a menina que nasceram em uma maternidade em Santos, no litoral de São Paulo, na sexta-feira (18), são irmãos, afirmou o diretor do Hospital São Lucas, Sérgio Paes de Melo. A informação foi confirmada por um exame de DNA, cujo resultado foi divulgado na tarde desta terça-feira (22).     Logo após o nascimento, os bebês foram identificados como sendo do sexo masculino, mas sete horas depois uma enfermeira percebeu que um deles era uma menina. A família temia que houvesse ocorrido uma troca de crianças.

“Tinha 99% de certeza que os dois eram meus filhos. Mas queria que o exame fosse feito para ter certeza”, afirmou o pai das crianças, o comerciante Rodrigo Amarelo, de 33 anos. Os pais, que pretendiam dar aos filhos os nomes de Gustavo e Nicolas, desde sábado (19) chamam os bebês de Gustavo e Nicole.

Anteriormente, Melo já havia dito que não acreditava que a troca tivesse ocorrido. Para ele, o que ocorreu foi uma falha da equipe de enfermagem, que adiantou a confecção das pulseirinhas de identificação para dois meninos.

“Eu acredito que isso tenha sido uma falha humana, porque como existia a afirmação de dois bebês do sexo masculino, a enfermagem já adiantou e fez as pulseirinhas com o nome dos meninos, que a mãe já tinha fornecido o nome dos meninos. E nasceu uma menina."

As crianças alvo da polêmica nasceram com diferença de um minuto entre um parto e outro. Da sala de cirurgia foram para o berçário, tomaram banho e depois foram levadas para o quarto. A família tentou falar com os médicos após descobrir que um dos bebês era uma menina, mas como ninguém deu nenhuma explicação, resolveu chamar a polícia. Imagens feitas por familiares na hora do parto mostram as pulseiras de bebês do sexo masculino.

Cinco ultrassonografias foram feitas durante a gravidez, e todas indicaram que os bebês eram meninos. As chances de erro neste tipo de exame é de 20%, segundo os médicos. No caso de gêmeos, as chances aumentam, já que os bebês ficam muito próximos no útero, dificultando a identificação do sexo.      

veja também