MENU

Mergulhadores fazem limpeza de represa na Grande SP

Mergulhadores fazem limpeza de represa na Grande SP

Atualizado: Quarta-feira, 28 Setembro de 2011 as 11:59

Seis mergulhadores fizeram a limpeza de grade de túnel que liga represa

 à estação de tratamento (Foto: Letícia Macedo/G1)

  Seis mergulhadores profissionais fizeram a limpeza da grade de um túnel que liga a Represa de Águas Claras, em Mairiporã, na Grande São Paulo, à Estação de Tratamento de Água Guaraú, na Zona Norte da capital, na manhã desta quarta-feira (28). A grade, que tem 6,8 m de altura por 5 m de largura, funciona como um filtro da água que segue para tratamento. Entre 8 e 9 m³ de sujeira foram retirados da água. Para que a operação fosse feita, a vazão de água em Guaraú foi cortada das 7 às 10h, quando o fornecimento começou a ser restabelecido.

Com a manutenção da represa nesta manhã, o fornecimento de água foi interrompido em 14 bairros da capital (Anhanguera, Pirituba, Freguesia do Ó, Casa Verde, Santana, Tremembé, Vila Maria, Mooca, Lapa, Sé, Pinheiros, Penha, Vila Formosa e Vila Alpina) além de oito municípios da região metropolitana de São Paulo e do ABC (Carapicuíba, Osasco, Barueri, Caieiras, Franco da Rocha, Francisco Morato, Guarulhos e São Caetano do Sul). Segundo a Sabesp, o fornecimento será plenamente restabelecido em até 24 horas após o término da manutenção na represa.     Os mergulhadores, em duplas, desciam 15,3 m até a grade. Os dois primeiros fizeram com que o material preso na estrutura se desprendesse e ficasse no fundo da represa. Posteriormente, esse material era colocado em uma cesta operada por um guincho. Na superfície, a sujeira era depositada em um caminhão. O material flutuante era retirado com a ajuda de um barco.

Cada dupla ficava, no máximo, uma hora embaixo d'água. “Depois de retirar o material que fica condensado na grade, o mais difícil é desenroscar os galhos para colocar na cesta. Na água, mesmo os troncos a gente consegue movimentar sem dificuldades”, afirmou o mergulhador Wagner Sartori, de 34 anos, que mergulha há quatro anos.

O fornecimento de oxigênio é garantido por um compressor. Um dos mergulhadores desce com uma espécie de microfone que permite a comunicação com a superfície e também um "cabo-vida", corda suficientemente resistente para retirar o mergulhador da água caso ele tenha algum problema. “Como a água é limpa, a gente usa roupa normal de mergulho e a máscara facial. Se fosse poluída, seria preciso usar roupa feita com borracha vulcanizada”, afirmou.

Por fim, um sétimo mergulhador desceu com um capacete feito com fibra de carbono, equipado com câmera e iluminação para fazer imagens da grade. “As imagens servem para registro e avaliação da situação da represa”, explicou Carlos Roberto Dardis, gerente de Recursos Hídricos Metropolitano Norte da Sabesp.

O dia de sol colaborou com a equipe. “Hoje não está chovendo, não está frio. Tudo colaborou com a parte operacional”, afirmou o supervisor de mergulho José Leonídio.

A última limpeza desse tipo na Represa Águas Claras aconteceu em 2007. Desta vez, o resultado ficou dentro do esperado, segundo Dardis. “Quase 100% do material recolhido era orgânico, como troncos e galhos de árvores. É um bom sinal, porque mostra que a região não está muito urbanizada”, afirmou.

Estação Guaraú recebe água coletada em represas

do Sistema Cantareira (Foto: Letícia Macedo/G1)

  Sistema Cantareira

A água que vem para a represa de Águas Claras começa a ser captada na divisa de São Paulo com Minas Gerais e recebe também a água captada pelas represas Jaguari/Jacareí; Cachoeira (Piracaia), Atibainha (Nazaré) e Paiva Castro (Mairiporã). A represa integra o Sistema Cantareira, que é o maior sistema de abastecimento do estado. Além de fornecer água para a totalidade das zonas Norte e Centro, regiões da Zona Sul, Leste e Oeste também são abastecidas pelo Sistema Cantareira. Cerca de 50% da região metropolitana recebe água desse sistema, segundo Claudia Mota, gerente da Estação de Tratamento Guaraú. “Ao todo são 9,5 milhões de consumidores”, afirmou. Além da capital, o sistema fornece água para São Caetano, Caieiras, Francisco Morato, Franco da Rocha, Osasco, Guarulhos, Barueri e Carapicuíba.          

veja também