MENU

Morre homem húngaro que esperava 1 mês por cirurgia

Morre homem que esperava 1 mês por cirurgia

Atualizado: Quinta-feira, 12 Abril de 2012 as 8:31

Uma troca de e-mails entre médicos do Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio, revelou detalhes da rotina dos profissionais do Centro de Tratamento Intenso (CTI) da unidade. Nas mensagens, envidadas a um grupo de e-mails restrito aos médicos, eles médicos falam sobre erros e até certos critérios para a internação de pacientes no CTI do hospital, conforme mostrou o Jornal das Dez, da Globonews.

O caso foi revelado após a morte do fotógrafo húngaro Andreas Palluch, radicado no Brasil. Ele morreu na quarta-feira passada depois de ficar mais de um mês à espera de uma cirurgia. O caso do fotógrafo também está entre os assuntos discutidos nos e-mails.

A troca de mensagens começou em fevereiro de 2010 para tratar de assuntos do CTI. As conversas deveriam ficar restritas ao grupo, nomeado "CTI 3º andar", mas até a noite de segunda-feira (9) qualquer internauta tinha acesso.

Em uma das mensagens, o responsável pelo CTI pede aos médicos que tenham critério na escolha dos pacientes que serão internados no CTI adulto do hospital. No e-mail, o médico diz que a recomendação é para que as vagas sejam preenchidas rapidamente para evitar transferências externas, principalmente de pacientes em estado grave e "moribundos" originários das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Os médicos também falam sobre as falhas no setor. Um deles comenta a falta de enfermeiros durante o plantão. Ele informa que uma paciente tem uma doença infecciosa, mas o isolamento não é feito da forma adequada, com risco de contaminação. Outra mensagem chama atenção para um objeto metálico esquecido dentro do corpo de um paciente. Ele ressalta que, "felizmente", o descuido tinha sido descoberto antes de o corpo seguir para o IML.

Fotógrafo esperou um mês por cirurgia

Andreas Palluch foi vítima de um assaltado no dia 17 de fevereiro, sexta-feira de carnaval. Ele teria sido levado por um policial para o Hospital Souza Aguiar, mas não há um boletim de ocorrência. A vítima ficou um mês internada à espera de uma cirurgia, e familiares pressionaram o hospital para que uma providência fosse tomada.

A situação foi comentada em outra troca de e-mails entre os médicos do hospital. Nas mensagens, o responsável pelo CTI diz que a família tem se mostrado "problemática" e confirma a remarcação da cirurgia por causa do erro de um fornecedor na entrega do material. O texto diz ainda que não uma definição sobre os responsáveis pelo paciente e pede para que nenhum privilégio seja concedido à família.

“A gente em nenhum momento pediu privilégio. O que nós pedimos foi informação. Eu quero ser informada quando ele vai ser operado. ‘Ah, aparece aí! ’ Isso não é forma de tratar uma família”, relatou a filha do fotógrafo, Andrea Palluch.

Ela conta ainda que o hospital publicou notas informando que o pai dela morreu por causa de ferimentos decorrentes da agressão que sofreu. “Ele não tinha ferimento externo corporal algum. Ele teve sim uma lesão na coluna”, explicou, ressaltando que o hospital disse que a família foi muito bem atendida. “Isso não posso confirmar”, finalizou.

Hospital diz que família teve toda a assistência

Em nota, a Secretaria municipal de Saúde informou que o fotógrafo Andreas Palluch deu entrada no hospital com estado de saúde muito grave, não tendo condições clínicas para ser submetido à cirurgia. Apenas após a estabilização do quadro, o paciente pôde ser operado. Ainda segundo a secretaria, os familiares receberam toda a assistência necessária. Eles também tiveram acesso a uma cópia do prontuário com todas as informações sobre o paciente.

Sobre a ocupação das vagas no CTI do Souza Aguiar, a secretaria esclareceu que a regulação dos leitos é feita com uma central que trabalha diretamente com a unidade.

veja também