MENU

Morre no Rio quarta vítima de explosão em restaurante no Centro

Morre no Rio quarta vítima de explosão em restaurante no Centro

Atualizado: Quarta-feira, 19 Outubro de 2011 as 4:57

Explosão em restaurante no Centro

(Foto: Reprodução/TV Globo) Uma das vítimas da explosão em um restaurante no Centro do Rio , na quinta-feira (13), morreu por volta das 12h25 desta quarta-feira (19). Segundo a Secretaria municipal de Saúde, ela seria o auxiliar de cozinha do estabelecimento, de 28 anos, identificado como José Roberto. Ele estava internado no CTI do Hospital Souza Aguiar, no Centro. Duas vítimas permanecem internadas em estado grave, uma jovem de 18 anos também no Souza Aguiar e um homem de 46 anos no Hospital Miguel Couto, na Zona Sul. O acidente deixou quatro mortos e 16 feridos.

O corpo será levado para o Instituto Médico Legal (IML). Ainda não há informações sobre as causas da morte.

Ainda segundo a secretaria, na terça-feira (18), um dos feridos, que estava em observação, teve alta do Hospital Souza Aguiar, ele seria o gerente do restaurante.   Investigação perto do fim Para o delegado Antônio Bonfim, da 5ª DP (Mem de Sá), a investigação sobre a explosão no restaurante Filé Carioca está perto do fim. Nesta manhã, a polícia reúne as últimas provas para a conclusão do inquérito.

Por volta das 9h, equipes foram ao local da explosão checar informações técnicas sobre as instalações dos cilindros de gás.

“Agora é o momento de comprovar as teorias, mas já temos nossa opinião sobre o caso, que está na fase final de investigação”, afirmou.

Ele disse que pretende ouvir, nesta tarde, ex-funcionários do estabelecimento, funcionários da prefeitura e ainda da empresa de gás SHV. O delegado também quer entender os trâmites e as regras sobre como obter uma autorização do Corpo de Bombeiros e o alvará de funcionamento da prefeitura.

“Vou ouvir uma testemunha que ela vai me dizer exatamente, diante das fotos que temos, onde ficavam os cilindros de gás”, disse ele, ressaltando que as instalações não eram compatíveis.

De acordo com o delegado, o dono do restaurante tinha conhecimento sobre a proibição do uso de gás no local . “Ele tinha consciência de que aquela situação era irregular, porque era um local que ninguém podia acessar. (...) Ela não conseguiu até hoje a autorização dos bombeiros porque ele não tinha a planta que descrevia as instalações do lugar”, explicou.

Segundo ele, o prazo para a entrega dessa planta ia expirar no dia 28 deste mês.          

veja também