MENU

Motorista de ônibus morre após levar tiros enquanto trabalhava

Motorista de ônibus morre após levar tiros enquanto trabalhava

Atualizado: Terça-feira, 7 Janeiro de 2014 as 6

motorista_morto
O motorista de ônibus Francinaldo Ribeiro de Sousa, de 34 anos, foi morto a tiros enquanto trabalhava, no início da manhã desta terça-feira. O crime foi na Rua São Luiz Gonzaga, no Largo do Pedregulho, em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio, por volta das 5h50m. Francinaldo estava ao volante de um ônibus da Viação Braso-Lisboa, que faz a linha 474 (Jardim Alah-Jacaré), quando foi atingido por pelo menos seis disparos, segundo as informações iniciais de policiais militares do 4º BPM (São Cristóvão). Havia entre 15 e 20 passageiros no veículo.
 
Ainda de acordo com os PMs, o assassino estava num ponto de ônibus na São Luiz Gonzaga e fez sinal para que o coletivo parasse. Quando a porta foi aberta, ele atirou e fugiu. Assustados, os passageiros fugiram.
 
O cobrador Marinaldo Cassiano da Silva, de 48 anos, contou que o suspeito usava um boné branco. Segundo ele - que trabalha com Francinaldo há 3 anos - assim que o motorista abriu a porta para que o assassino embarcasse, os disparos começaram.
- Foram muitos tiros. Todos entraram em pânico. Foi uma correria dentro do ônibus. Pulei até o voltante para conseguir desligar a chave e impedir, assim, que houvesse um acidente - contou Marinaldo.
 
De acordo com ele, Francinaldo era casado e tinha três filhos - dois de um antigo relacionamento e um do atual casamento. O caçula tem 2 anos.
- Ele fazia tudo pelos filhos. O pequeno era seu xodó - contou o cobrador.
Ainda segundo Marinaldo, o motorista morava no Caju, também na Zona Norte. Ele contou, ainda, que o companheiro de trabalho estava sempre com um sorriso no rosto:
- Mesmo começando a trabalhar às 4h, ele estava sempre de bom humor. Costumava falar muito sobre a família. Nunca imaginei que veria um amigo morrer desta maneira. Minha cabeça deu um nó. Não tenho condições de fazer mais nada hoje.
 
Inspetor da Braso-Lisboa, Adelino da Silva Almeida contou que Francinaldo trabalhava há 10 anos na empresa. Ele disse que pedirá as imagens das câmeras do coletivo de sábado e desta segunda. As imagens de sábado mostrariam uma discussão entre Francinaldo e um passageiros.
- A ideia é compararmos as duas imagens para ver se é o mesmo homem - contou Adelino.
Uma equipe da Divisão de Homicídios (DH) chegou ao local por volta das 9h. Segundo um dos inspetores, o crime está sendo tratado como um acerto de contas.
- Foi uma execução, sem dúvida. Vamos analisar as imagens das câmeras do ônibus para saber se pode ter ligação com a discussão de sábado - disse o policial.
 
Medo da violência
Comadre do motorista, a recepcionista Flávia Santos, de 31 anos, foi ao local do crime. Segundo ela, até as 8h30m desta segunda, a esposa de Francinaldo ainda não havia sido informada sobre a morte do marido. A mulher - de quem Flávia não quis dar o nome - fazia a matrícula do filho mais novo do casal numa creche.
Flávia contou ainda que Francinaldo costumava se queixar de medo da violência:
- Ele tinha medo da violência que faz parte do cotidiano do motorista de ônibus. É uma pena isso que aconteceu. Era uma pessoa cheia de sonhos. O último deles era fazer uma reforma na casa.
 
'Bom profissional'
Em nota, o Rio Ônibus - sindicato das empresas de ônibus do Rio - lamentou a morte de Francinaldo e disse que vai colaborar com as investigações. Segundo o informe, o motorista era considerado um "bom profissional". Leia a íntegra da nota:
"O Rio Ônibus lamenta a morte do motorista Francinaldo Ribeiro de Souza e informa que vai colaborar com a investigação da polícia, fornecendo as imagens do circuito interno do ônibus da linha 474 ou prestando outras informações necessárias para ajudar no esclarecimento do crime. A entidade também está prestando assistência à família do rodoviário, que trabalhava há dez anos na empresa Braso Lisboa. Francinaldo sempre foi considerado um bom profissional."
 

veja também