MENU

Motorista de Porsche acidentado deixa hospital na Zona Sul de SP

Motorista de Porsche acidentado deixa hospital na Zona Sul de SP

Atualizado: Quarta-feira, 13 Julho de 2011 as 1:17

O empresário Marcelo Malvio Alves de Lima, de 36 anos, motorista do Porsche envolvido na colisão que resultou na morte da advogada Carolina Menezes Cintra Santos na noite de sábado (9) no Itaim Bibi, deixou no fim da manhã desta quarta-feira (13) o Hospital São Luiz, na Zona Sul de São Paulo. A informação sobre a alta do paciente foi confirmada pela assessoria do hospital. Policiais do 15º Distrito Policial, no Itaim Bibi, levaram nesta terça-feira (12) ao hospital o alvará de soltura do empresário. A Justiça concedeu liberdade provisória com fiança fixada em R$ 300 mil ao empresário. Os advogados dele tentaram baixar o valor, mas acabaram concordando com o pagamento fixado pela Justiça.    

Carro da polícia chega ao hospital com alvará de

soltura para empresário

(Foto: Paulo Toledo Piza/ G1)

  O empresário foi autuado em flagrante por homicídio doloso, quando há a intenção de matar. Ele dirigia a 150 km/h por hora, segundo a perícia, e bateu no carro da advogada na Rua Tabapuã, próximo à esquina com a Rua Bandeira Paulista. Testemunhas disseram que a advogada avançou o farol vermelho devagar, por volta das 2h45.

A câmera de segurança de um prédio da Rua Tabapuã gravou o momento em que o Porsche do empresário passa em alta velocidade. É tão rápido que só dá para ver em câmera lenta. Um quarteirão depois, ele atinge o carro da advogada.

Com base no novo Código de Processo Penal, a Justiça estipulou, além da fiança, a proibição de que o empresário frequente bares e casas noturnas. Ele também fica impedido de deixar a cidade sem avisar a Justiça e não pode sair do país.

Defesa do empresário

Embora comuniquem que a pedido da família devem deixar de representar o empresário neste caso, os advogados Juliano Pequini e Pedro José Vilar Godoy Horta afirmaram, em nota, que o caso não merece julgamento antecipado, já que ainda não há o resultado da perícia no veículo conduzido pelo empresário, bem como comprovação do estado do condutor na hora do acidente. De acordo com eles, qualquer informação veiculada sobre a velocidade do veículo conduzido pelo empresário são, até agora, "inverídicas".

Ainda segundo a nota, "o calor dos acontecimentos e a comoção pública não devem se sobressair ao ordenamento jurídico que rege o país e, portanto, é irresponsável alimentar na sociedade uma vilanização antecipada, quando cabe apenas à Justiça condenar ou absolver".

Os advogados afirmam que a juíza Ana Carolina Della Latta Camargo Belmudes concedeu a liberdade provisória por considerar que o empresário é réu primário, tem bons antecedentes, possui ocupação lícita e reside no domicílio da culpa.          

veja também