MP rejeita explicação de Lula e Dilma em ação que pode gerar terceira multa

MP rejeita explicação de Lula e Dilma em ação que pode gerar terceira multa

Atualizado: Quinta-feira, 15 Abril de 2010 as 12

O Ministério Público Eleitoral rejeitou argumentação dos advogados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, em ação que acusa o presidente de fazer propaganda eleitoral fora de época, o que pode lhe gerar a terceira multa.

O MP considerou procedente a denúncia apresentada pelo PPS, segundo a qual Lula teria feito campanha antecipada para a ex-ministra ao afirmar, em entrevista a uma rádio em Fortaleza, quando cumpria agenda oficial, que ela é sua candidata e que "apenas ela" poderia seguir com as obras e programas iniciados em sua gestão.

Se condenados, Lula e Dilma podem ter que pagar multa de até 20 mil. Lula já foi multado outra duas vezes, também por propaganda eleitoral antecipada, em R$ 5 mil e R$ 10 mil, respectivamente.

No caso de Dilma, o TSE entendeu nessas duas ações que ela não poderia controlar o que o presidente diz, eximindo-a de responsabilidade.

A partir do parecer do MP, os ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) irão se manifestar. O julgamento ainda não está marcado.

O evento em questão ocorreu em Fortaleza, no dia 10 de setembro de 2009, para lançamento de obra do Programa de Aceleração do Crescimento. "Antes mesmo da realização do PAC, o presidente não se conteve e concedeu entrevista a emissora de rádio de conteúdo nitidamente eleitoral para beneficiar Dilma", escreveu a vice-procuradora geral eleitoral, Sandra Creau, no parecer a que a Folha teve acesso.

A defesa de Lula e Dilma alegou que os dois não são candidatos. Dilma só passará a esta condição depois da convenção partidária, em junho.

Por: Andreza Matais

veja também