MENU

Musical 'O Rei e Eu' ganha versão brasileira com Tuca Andrada

Musical 'O Rei e Eu' ganha versão brasileira com Tuca Andrada

Atualizado: Quinta-feira, 25 Fevereiro de 2010 as 12

Após sucessos como A Bela e a Fera , O Fantasma da Ópera e A Noviça Rebelde , a capital paulista receberá, no sábado (27), a temporada de mais um grandioso musical adaptado da Broadway. No teatro Alfa, estreia O Rei e Eu , estrelado pelos atores Tuca Andrada e Claudia Netto. A peça se passa em 1864, quando o rei do Sião (atual Tailândia) contrata Anna Leonowens, uma professora de origem inglesa, para cuidar dos seus quase 70 filhos. O choque cultural entre oriente e ocidente vai dar margem para conflitos que envolvem preconceito, escravidão, política. No entanto, em meio a esse atribulado cenário, haverá espaço também para florescer o amor. A requintada versão brasileira traz, além dos dois atores e mais um elencpo fixo de mais de 10 atores, dezenas de figurantes e uma orquestra composta por 22 músicos. Com direção geral de Jorge Takla e direção associada e coreográfica de Tânia Nardini, O Rei e Eu foi minuciosamente trabalhado. Desde os figurinos (de Fábio Nataname) à maquiagem (de Duda Molinos), a peça consumiu mais de seis meses de trabalho. A coreógrafa e co-diretora Tânia Nardini teve grande participação no processo. "Eu estive na Tailândia para pesquisar o gestual e comportamento dos orientais, assisti a espetáculos modernos e tradicionais e descobri que era preciso trazer a delicadeza, mas com a essência do teatro oriental, que é de grande força gestual", disse a coreógrafa. Tânia e Takla contam que, para a produção não correr o risco de criar algo caricato, o trabalho do maquiador Duda Molinos e do estilista Fábio Namatame, responsável pelo figurino, foi fundamental. "O Takla me deixou à vontade para eu não me ater à realidade, tomando cuidado para não transformar os orientais em caricaturas e sim em uma representação", disse o maquiador. Nesse trabalho em dupla, que inclui maquiagens trabalhadas e figurinos requintados, os atores tiveram um grande trabalho de cena. Claudia Netto (Anna) teve de se acostumar com as pesadas e pomposas roupas de sua personagem ocidental. "Eu e o Tuca tivemos de superar os obstáculos. Ele conciliando nossos ensaios com as gravações da novela Poder Paralelo (Record), e, eu, superando meus próprios obstáculos físicos", comenta a atriz. Luciana Bueno, que interpreta Lady Thiang, mãe do Rei, empresta ao espetáculo sua veia operística. Experiente em canto lírico, a atriz e cantora paranaense "dá maior dimensão à sua personagem, passando da voz falada à cantada sem medo", segundo o diretor, que também não poupa elogios ao protagonista masculino. "Tuca Andrada se preparou com força e dedicação, pois era preciso compor um personagem com postura de rei, mas que dança, canta e exibe seu corpo de forma imponente", afirmou Takla, sobre Andrada, que já atuou em produções musicais sobre Orlando Silva e Elza Soares. História real e longeva

O musical O Rei e Eu é baseado no romance de 1944 Anna e O Rei do Sião , escrito por Margaret London, que por sua vez retratou a história real da indiana de origem inglesa Anna Leonowens (1831-1915), tutora dos filhos do rei Mongkut, do Sião. O livro teve vida longa nos palcos e também na telona e telinha. Chegou aos cinemas em 1946 em produção vencedora de dois Oscar e foi levado ao teatro, como musical, pela primeira vez por Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II - versão usada pela montagem brasileira -, estreando em março de 1951, na Broadway, com Yul Brynner (1920-1985) e Gertrude Lawrence (1898-1952) nos papéis principais. Ambos ganharam o Tony Awards - prêmio máximo do teatro americano - por suas performances. Em 1956 a história ganhou nova versão para o cinema (a mais conhecida), com Brynner revivendo seu papel de rei do Sião e contracenado com a estrela Deborah Kerr, que interpretou Anna. O longa ganhou cinco Oscar, incluindo Melhor Ator. Brynner ainda viveu o rei do Sião em uma série de TV de 13 episódios, na década de 70. Um outro revival estrelado pelo astro chinês Chow Yun-Fat e a atriz e diretora americana Jodie Foster foi lançado em 1999. Neste mesmo ano a história ganhou uma versão em desenho animado.

veja também