MENU

Nascimento chegou a colocar cargo à disposição de Dilma, diz Malta

Nascimento chegou a colocar cargo à disposição de Dilma, diz Malta

Atualizado: Terça-feira, 5 Julho de 2011 as 7:37

O líder do PR no Senado, Magno Malta (ES), afirmou na noite desta segunda-feira (4) que o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, chegou a colocar o cargo à disposição da presidente da República, Dilma Rousseff, depois das denúncias de superfaturamento na pasta apontadas em reportagem da revista “Veja” desta semana.

“O ministro se colocou completamente à disposição da presidente da República. Ele disse 'a senhora é a presidente da República. A senhora governa o país. Mas a senhora me conhece, conhece minha conduta, conhece minha vida. E ela decide prestigiar o Alfredo por conhecer a história do Alfredo. Ele não tentou se agarrar a nada, não. Simplesmente se colocou à disposição e a presidente da República decidiu prestigiar o Alfredo”, disse o senador.

Segundo a revista, representantes do PR, partido ao qual pertence o ministro e a maior parte da cúpula do ministério, funcionários da pasta e de órgãos vinculados teriam montado um esquema de superfaturamento de obras e recebimento de propina por meio de empreiteiras.

A reunião entre Alfredo Nascimento e a bancada do PR durou mais de duas horas. Após o encontro,  PR  divulgou uma nota em que reafirma o apoio “incondicional” do partido ao ministro. Malta reafirmou que o ministro se prontificou a ir no Sendo e na Câmara prestar esclarecimentos sobre as denúncias veiculadas pela revista.

“Rechaçamos o denuncismo sem prova, criando um estado de terror e de desconfiança através de ilações sem prévia defesa dos citados, devendo ser concedido aos mesmos o benefício legal da dúvida. Ao mesmo tempo, registra-se a preocupação com o dever das instituições em proteger a honra de qualquer cidadão até que algo se prove contra sua conduta”, diz a nota.

Malta afirmou que, caso as investigações provem alguma irregularidade envolvendo integrantes do PR, o partido irá tomar medidas posteriormente.

“Quando houver investigação, houver inquérito e houver condenação, o partido vai tomar as providências”, disse.

Apoio de Dilma

Após anunciar o afastamento de quatro integrantes da cúpula do ministério que estavam sob suspeita, o ministro recebeu o apoio da presidente por meio de um comunicado oficial divulgada nesta segunda-feira (4).

Dilma  Rousseff afirmou que tem "confiança" no ministro e que cabe a ele apurar as denúncias de irregularidades na pasta.

"O governo manifesta sua confiança no ministro Alfredo Nascimento. O ministro é responsável pela condução do processo de apuração das denúncias contra o Ministério dos Transportes", diz Dilma no comunicado.

Ainda no sábado, Nascimento anunciou que foram afastados temporariamente dos cargos os servidores Mauro Barbosa da Silva, chefe de Gabinete do ministro; Luís Tito Bonvini, assessor do Gabinete do ministro; Luís Antônio Pagot, Diretor-Geral do Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (Dnit); e José Francisco das Neves, Diretor-Presidente da Valec.

Apesar do apoio, o líder do PR afirmou que o ministro não está confortável com a situação.

“Ninguém fica confortável na vida quando é atingido no seu nome. O cidadão mais simples, é o nome da gente. Não acredito em tranquilidade e [que esteja] confortável. Mantido no cargo ele está, e está prestigiado no cargo. Agora é um cidadão, um pai de família que está sendo exposto. Ninguém fica em paz com uma situação destas", disse Malta sobre o ministro.

Explicações

Na tarde desta segunda-feira, o ministro dos Transporte chamou os parlamentares da bancada do PR na Câmara e no Senado para prestar explicações sobre as denúncias. Ainda durante o encontro, a assessoria do ministério divulgou nota anunciando que vai instituir uma comissão de sindicância investigativa para apurar as supostas irregularidades na pasta. O ministro estabeleceu prazo de 30 dias para a conclusão do procedimento apuratório.

Segundo a nota divulgada nesta segunda, o Ministro dos Transportes pediu à Controladoria Geral da União (CGU) que instaure auditoria sobre os contratos mencionados pela revista e que disponibilize todo o apoio necessário ao trabalho da comissão de sindicância, "mobilizando inclusive os demais órgãos de controle interno e investigativos com quem aquela Pasta mantém acordos e convênios, como o Ministério Público Federal (MPF), a Polícia Federal (PF) e o Tribunal de Contas da União (TCU)."

Por meio de sua assessoria, o ministro também comunicou o nome de três substitutos para os afastados. Na diretoria-geral do DNIT, assume José Henrique Sandok, atual diretor-executivo do departamento. Ele comandará o órgão no lugar de Luís Antonio Pagot. O ministério também confirmou a colocação de Felipe Sanches na presidência da Valec, no lugar de José Francisco das Neves. Sanches é o atual diretor financeiro da estatal e vai acumular o cargo com a presidência. O terceiro nome informado pelo ministério é do Wilson Wolter Filho, atual assessor especial do ministro, e vai assumir a chefia de gabinete do ministério, no lugar de Mauro Barbosa da Silva.

veja também