MENU

Netos suspeitos de atirar contra avó em MT são soltos por não ter vaga

Netos suspeitos de atirar contra avó em MT são soltos por não ter vaga

Atualizado: Segunda-feira, 11 Julho de 2011 as 4:30

Dois adolescentes, de 14 e 15 anos, apreendidos na semana passada por suspeita de tentativa de homicídio e de manter a avó de 65 anos em cárcere privado, foram liberados conforme decisão do juiz da Segunda Vara da Comarca de Juína, a 737 quilômetros de Cuiabá, Gabriel da Silveira Matos. Os adolescentes vão responder pelos crimes em liberdade porque o município não possui local específico de internação para o cumprimento de medidas sócioeducativas. Os tiros, porém, não acertaram ninguém.

Os suspeitos poderiam ser encaminhados para o Centro Sócioeducativo da capital, antigo Complexo Pomeri, mas de acordo com a promotora de Justiça da Comarca de Juína, Fabíola Fuzinatto Valandro, eles não foram transferidos por falta de vagas na unidade. Ela ponderou, porém, em entrevista ao G1 , que, nesse caso específico, a unidade sócio-educativa não foi consultada, mas que há cerca de três dias antes, um outro menor não foi encaminhado para o Pomeri por falta de vaga. "Como já tínhamos um caso semelhante recente já se subtende que a situação seria a mesma", avaliou.     Ela contou ainda que os garotos ficaram por três dias numa cela separada dos demais detentos na cadeia pública do município, específico para esses casos, mas é permitido ficar até no máximo cinco dias nessa condição. Agora, segundo a promotora, os adolescentes foram obrigados a retornar à escola, pois não estavam estudando e também vão participar de um programa desenvolvido pelo Centro Especializado de Referência Social (Creas). 

Quando foram abordados, um dos suspeitos argumentou, segundo informações da polícia, que queria as duas espingardas e o revólver calibre 38 parar tentar resgatar o irmão da prisão. Por causa disso, o reeducando, que cumpria pena por furto na cadeia pública do município, foi transferido para uma unidade de tratamento de dependência alcoólica, que fica em  Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. Ele próprio teria manifestado interesse, conforme informou a polícia.

No dia 3 deste mês, os garotos mantiveram a avó e um parente em cárcere privado por cerca de três horas em um sítio localizado na gleba Iracema, a aproximadamente 50 quilômetros de Juína, onde a aposentada reside com o marido.  Os adolescentes chegaram a efetuar alguns disparos de espingarda para ameaçar a avó a entregar o revólver de propriedade do avô. Ela, porém, se recusou e disse que não sabia o local onde a arma estava.

Os adolescentes, no entanto, foram convencidos pela mãe, que chegou ao sítio horas depois, a desistirem do roubo. Eles foram abordados pela polícia quando seguiam de carro para a cidade e foram apreendidos. Contra eles pesam os crimes de cárcere privado, tentativas de homicídio e roubo, além de disparo e porte ilegal de arma de fogo.          

veja também